Google+ Followers

terça-feira, 29 de maio de 2018

#Generalized irresponsibility in Brazil: who foot the bill?

#Generalized irresponsibility in Brazil: who foot the bill?
Brazil is at war. On one side are the corporations, the   politicians with a reputation for graft and the addicted to state subsidies and favors; on the other hand, Brazilians citzens who work and pay taxes
    • #Generalized irresponsibility (“Estado de São Paulo” Newspaper)
    • #Thomas Korontai’s  message to Brazilian People  on recent truckers’ activities  stoppage
    • #Tribute to Facebook:  for the brazilian upspring beyong social media activism protagonism  and business opportunity to brazilian companies

    • VOTE WITH BALLOT PAPER NOW! See video:  Dr. Felipe Marcelo Gimenez  (Mato Grosso do Sul – Public Office Prossecutor – Patria Brasil Moviment Coordinator)
    • SIGN THE PUBLIC PETITION : http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?
      
SOURCE / LINK: 
Generalized irresponsibility
Brazil is at war. On one side are the corporations, the   politicians with a reputation for graft and the addicted to state subsidies and favors; on the other hand, Brazilians citzens who work and pay taxes
O Estado de S.Paulo


26 May 2018 | 03h00
On the fifth day of the autonomous truckers' strike, which brought chaos across the country, President Michel Temer finally authorized the use of federal military forces to free roads blocked by demonstrators. It's about time.

No claim is fair enough to legitimize the absurd aggression committed by the truck drivers against all Brazilians, whose daily lives were severely affected by the stoppage. Even more serious is the fact that the strike continued in spite of the efforts of the federal government and Petrobrás to respond to the demands of the strikers in an astounding demonstration of irresponsibility, response to height.

In announcing the security plan to unblock the roads, with the help of the states, President Temer said that the government will not allow "the population to run out of basic necessities, hospitals to have no supplies to save lives and children stay without schools. " According to Temer, "anyone who blocks roads in a radical way will be held responsible". The Federal Attorney General's Office has called the Federal Supreme Court so that the strike is considered illegal, including with payment of a fine and a cassation of license.

All this should have been done much earlier, when it became clear that the movement would bring huge disruptions throughout the country. In this sense, the government showed excessive slowness to react to the strike, allowing the movement to gain strength, to the point of judging itself in conditions to blacken the whole society and to ignore the agreement to end the protest. Incidentally, it is the case of questioning where the Brazilian Intelligence Agency (Abin) was, which did not detect the possibility of the outbreak of a movement of this magnitude, the size of which poses a clear threat to national security - with closed airports, , generalized lack of supply and concrete possibility of riots throughout the country. It is precisely to prevent such situations that Abin exists.

It is also the case to ask what the Minister of Mines and Energy, Moreira Franco, was doing all this time, as well as giving demagogic insights about Petrobras' pricing policy. Or the governors, who preferred to wash their hands despite being a considerable part of the problem, because the highest tax burden on diesel is state. Last but not least, it is worth highlighting the regrettable role played by the presidents of the Chamber, Rodrigo Maia (DEM-RJ), and the Senate, Eunício Oliveira (MDB-CE), who, instead of collaborating At the end of the crisis, they surrendered, each in their own way, to the lowest electoral politics, on the assumption that they would be strengthened should the federal government weaken. The command of Congress is handed over to those who simply can not understand the serious moment that the country is going through.

In addition to the evident fragility of the federal government, the silence of the governors and the opportunism of parliamentarians who do not see beyond the ballot boxes, the crisis included the omission of the Public Prosecutor's Office, who, so damaging to the country. To make matters worse, the state governments did not enforce the various judicial orders prohibiting the blocking of roads.
In the midst of all this tangle of irresponsibility and omission were the ordinary Brazilians, who have been facing a real nightmare for days. They do not know if the gas in the car tank will be enough, whether there will be buses to go to work, if supermarkets and fairs still have food to sell, if schools will work, if airports will open, if hospitals will have conditions to if roads and avenues are free or blocked. Such a scenario is characteristic of a country at war.
And, in fact, Brazil is at war. On the one hand are corporations, venal politicians, and addicts in state subsidies and favors; on the other hand, Brazilians who work and pay taxes. Unfortunately, for now, it is these who are losing.

More content about:

Editorial Estadão strike The State of S. Paulo Michel Temer gasoline protest strike trucker diesel oil
Have you found an error? Contact
Follow the Estadão
   

False democracy
We live in a tyranny in which the free exercise of the judiciary and the MP
   

* ROBERTO LIVIANU, O Estado de S.Paulo
26 May 2018 | 03h00


==//==

SOURCE / VIDEO LINK: https://youtu.be/JinmY6pKfsQ



Thomas Korontai’s  message to Brazilian People  on recent truckers’ activities  stoppage 


Thomas Korontai Pre-Candidate
Posted on May 28, 2018

REGISTERED 186

Thomas Korontai First independent candidate for the Presidency of the Republic. facebook: http://www.facebook.com/tkpresidente2018

Category
News & Politics
License
YouTube Standard License
SHOW LESS


Leave a Reply

CLASSIFY FOR

==//==


SOURCE/VIDEO LINK: https://youtu.be/JinmY6pKfsQ


Mensagem de Thomas Korontai sobre a paralisação dos caminhoneiros


13 visualizações

50
COMPARTILHAR



Thomas Korontai Pré-Candidato
Publicado em 28 de mai de 2018

INSCRITO 186

Thomas Korontai Primeiro candidato independente à Presidência da República. facebook: http://www.facebook.com/tkpresidente2018

Categoria
Notícias e política
Licença
Licença padrão do YouTube
MOSTRAR MENOS


0 comentários

CLASSIFICAR POR

==//==
SOURCE/LINK: https://web.facebook.com/groups/253506875212769/

#TRIBUTE TO  FACEBOOK 
 FOR THE BRAZILIAN UPSPRING BEYONG SOCIAL MEDIA ACTIVISM PROTAGONISM
 AND BUSINESS OPPORTUNITY TO BRAZILIAN COMPANIES


"This is about a crisis for democracy and more rights, and this new independent media in Brazil, streaming and circulating thousands of photos and videos in real time, has played a decisive role in making sure those protests were properly covered," Altenfelder says.


In order to fill this gap, this special issue tackles the social media and collective identity nexus across the new wave of protest movements that shook the world in the last decade. Contributions encompass multiple social media platforms and practices adopted by activists, including protest tweets, the use of profile and memetic pictures, the content management of activist Facebook pages and groups, the creation and circulation of collective names, hashtags, icons, and slogans, and the development of internal discussions on WhatsApp and other instant messaging channels. (Paolo Gerbaudo & Emiliano Treré, 2015)

#HOMENAGEM AO FACEBOOK PELA PRIMAVERA BRASILEIRA E OPORTUNIDADE DE NEGÓCIOS PARE EMPRESAS BRASILIERAS
"Trata-se de uma crise pela democracia e mais direitos, e essa nova mídia independente no Brasil, transmitindo e circulando milhares de fotos e vídeos em tempo real, desempenhou um papel decisivo para garantir que os protestos fossem devidamente cobertos", diz Altenfelder

==//==


IT'S A BRAZILIAN CITIZEN'S RIGHT! 
VOTE WITH BALLOT PAPER NOW!

THE BRAZILIAN SUPERIOR ELECTION COURT AND CONGRESS BARRED THE PRINTED VOTE!
THE URBAN GRADUAL CHANGE PROPOSAL UP TO 2028 IS INDECENT
PROTECTS CORRUPTS AND PRVENT TO  THE RENEWAL OF THE POLITICAL FRAMEWORK BY GIVING PARTICIPATING FORUM TO ELECTED CORRUPTS DIFFERENTLY. WHAT DOES IT LOOK LIKE IN TECHNOLOGY IS A HUGE ADVANCE FOR DEMOCRACY!
PRINTED VOTE OR PAPER CELL PHONE IN 2018 BRAZILIAN ELECTION
MUTATIS MUTANDIS CHANGING THE EU MUST BE CHANGED]


SIGN THE PUBLIC PETITION :

EM APOIO À AÇÃO POPULAR PELO VOTO EM CÉDULA 


==//==
MPF(Brazilian Federal Prosecutions Office)  denounces Sérgia Miranda for fraud at Simcol and should investigate Caio Asfor
November 27, 2017 Walter Bardawil


Offices "Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria" and "Rocha, Marinho e Sales" would be linked by means of operating behind a particular type naive person offering to represent another in an illegal activity "straw" man (in portuguese “laranjas”)

The Federal Public Prosecutor's Office (MPF), through the Deputy Attorney General, Luciano Mariz Maia, offered the Superior Court of Justice (STJ) a crime against the Sérgia Maria Mendonça Miranda district attorney for fraud involving the failed bankruptcy of Simcol (building company undergoing bankruptcy).

She dispatched an injunction and wrongly ordered (in one of her shifts) the payment of a check in the amount of one million, one hundred and nineteen thousand, nine hundred and thirty-two reais and one centavo to the office "Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria", which, at the time, in May 2013, had provided legal services to the company.
In addition to Sérgia, Frankraley Oliveira Gomes - boyfriend of the judge at the time -, Paulo Fernando Mendonça and Claudia Adrienne Sampaio de Oliveira are enrolled.
Check out excerpt from MPF complaint.
Orange Partnership
SIMCOL would also have been harmed, in a criminal manner, through another injunction of the same adjudicator. The company was forced to pay very high amounts (over R $ 1 million) to the law firm "Rocha, Marinho e Sales", owned by attorney Caio Asfor.

The payment was made by means of an "orange" connected to the "Sampaio, Tavares Advocacia e Consultoria" office.

The denunciation was sent to the Minister of STJ, Herman Benjamin, by the businessman Gilberto Martins Borges, majority partner and representative of the bankrupt company.

Part of the document of Gilberto Borges below.





==//==




Irresponsabilidade generalizada
O Brasil está em guerra. De um lado estão as corporações, os políticos venais [que se vendem] e os viciados em subsídios e favores estatais; de outro, os brasileiros que trabalham e pagam impostos

O Estado de S.Paulo 
26 Maio 2018 | 03h00 
No quinto dia da greve dos caminhoneiros autônomos, que levou o caos a todo o País, o presidente Michel Temer finalmente autorizou o uso das forças militares federais para liberar rodovias bloqueadas pelos manifestantes. Já não era sem tempo.  
Nenhuma reivindicação é justa o bastante para legitimar a absurda agressão cometida pelos caminhoneiros contra todos os brasileiros, cujo cotidiano foi severamente afetado pela paralisação. Mais grave ainda é o fato de que a greve continuou a despeito dos esforços do governo federal e da Petrobrás para atender, naquilo que lhes competia e era possível, às demandas dos grevistas, numa espantosa demonstração de irresponsabilidade, que deve encontrar do poder público uma resposta à altura. 
Ao anunciar o plano de segurança para desbloquear as estradas, com ajuda dos Estados, o presidente Temer disse que o governo não vai permitir “que a população fique sem os gêneros de primeira necessidade, que os hospitais fiquem sem insumos para salvar vidas e crianças fiquem sem escolas”. Segundo Temer, “quem bloqueia estradas de maneira radical será responsabilizado”. A Advocacia-Geral da União acionou o Supremo Tribunal Federal para que a greve seja considerada ilegal, inclusive com pagamento de multa e cassação de licença. 
Tudo isso deveria ter sido feito muito antes, quando ficou claro que o movimento traria imensos transtornos em todo o País. Nesse sentido, o governo demonstrou lentidão excessiva para reagir à greve, permitindo que o movimento ganhasse força, a ponto de julgar-se em condições de chantagear toda a sociedade e de ignorar o acordo para encerrar o protesto. A propósito, é o caso de questionar onde estava a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que não detectou a possibilidade de deflagração de um movimento dessa magnitude, cuja dimensão representa ameaça evidente à segurança nacional – com aeroportos fechados, carros da polícia sem combustível, desabastecimento generalizado e possibilidade concreta de tumultos em todo o País. É justamente para prevenir tais situações que a Abin existe. 
Também é o caso de perguntar o que fazia esse tempo todo o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, além de dar palpites demagógicos sobre a política de preços da Petrobrás. Ou então os governadores, que preferiram lavar as mãos apesar de serem parte considerável do problema, porque o maior peso tributário sobre o diesel é estadual. Por último, mas não menos importante, é o caso de destacar o lamentável papel desempenhado pelos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), que, em vez de colaborar para o fim da crise, se entregaram, cada um a sua maneira, à mais rasteira política eleitoreira, na presunção de que sairiam fortalecidos caso o governo federal se enfraquecesse. O comando do Congresso está entregue a quem simplesmente não consegue entender o grave momento que o País atravessa. 
Além da evidente fragilidade do governo federal, do silêncio dos governadores e do oportunismo de parlamentares que não enxergam além das urnas, a crise contou com a omissão do Ministério Público, que, sempre tão ativo, desta vez mal se fez ouvir a respeito de greve tão danosa ao País. Para piorar, os governos estaduais tampouco mandaram cumprir as diversas ordens judiciais que proibiam o bloqueio de estradas. 
No meio de todo esse emaranhado de irresponsabilidades e omissões ficaram os brasileiros comuns, que estão há dias enfrentando um verdadeiro pesadelo. Não sabem se a gasolina no tanque do carro será suficiente, se haverá ônibus para ir ao trabalho, se os supermercados e as feiras ainda têm alimentos para vender, se as escolas vão funcionar, se os aeroportos vão abrir, se os hospitais terão condições de atendimento, se estradas e avenidas estarão livres ou bloqueadas. Um cenário como esse é característico de um país em guerra. 
E, de fato, o Brasil está em guerra. De um lado, estão as corporações, os políticos venais e os viciados em subsídios e favores estatais; de outro, os brasileiros que trabalham e pagam impostos. Infelizmente, por ora, são estes que estão perdendo.
Mais conteúdo sobre:
Editorial Estadão greve O Estado de S. Paulo Michel Temer gasolina protesto greve caminhoneiro óleo diesel 
Encontrou algum erro? Entre em contato
Siga o Estadão 
    •   
    •   
    •   
    •   
    •   
    •   



Falsa democracia
Vivemos uma tirania em que se pretende tornar inviável o exercício livre da magistratura e do MP
     

*ROBERTO LIVIANU, O Estado de S.Paulo 
26 Maio 2018 | 03h00 
Na Itália, a Operação Mãos Limpas naufragou porque não houve mobilização da sociedade e após ser atingido o coração das organizações criminosas o corpo político reagiu estrategicamente, usou o poder de forma contundente e elaborou leis que impediram o prosseguimento do trabalho dos juízes e do Ministério Público (MP). 
Legislou-se contra o bem comum, visando à autoproteção diante da letargia do povo, e as conquistas da Mãos Limpas foram por água abaixo. Esse roteiro é de pleno conhecimento do juiz Sergio Moro e dos procuradores da Lava Jato.  
Temos vivido outro processo histórico, especialmente a partir de junho de 2013, quando o povo saiu às ruas – aparentemente para protestar contra um aumento de tarifa de ônibus. Logo se percebeu que os motivos eram muito mais graves: insatisfação com a política e os partidos. 
Por isso foi rejeitada a PEC 37, que a Câmara, então presidida por Henrique Alves (preso por corrupção), pretendia aprovar para monopolizar a investigação criminal nas mãos da polícia, impedindo o MP de fazê-lo. Foi rejeitada por 430 x 9. 
Além da rejeição da PEC 37, a Câmara aprovou naquele momento também as Leis 12.846 (anticorrupção) e 12.850 (delação premiada), mas, infelizmente, a verdade é que esse movimento teve o exclusivo objetivo de acalmar a sociedade. Quando a situação voltou a estar razoavelmente sob controle, reapresentou-se a crise de representatividade política que vivemos já há vários anos, com o descumprimento grave do papel de mandatários e partidos. 
Aliás, as legendas políticas, em especial de centro e de direita, há mais de dez anos vêm rejeitando a denominação “partido” em seu nome. Querem esconder que o são. O PFL em 2007 deu início ao movimento transformando-se em DEM. Depois, o Solidariedade (2013), o Novo e a Rede (ambos em 2015). O PMDB baniu o P da sigla, assim como o PTN, que virou Podemos. Esses são apenas alguns exemplos.  
No Congresso, diversas proposituras legislativas que não visam à proteção do bem comum nem à eficiência no combate à corrupção têm sido observadas nos últimos anos. Ao contrário, percebe-se nelas o objetivo de enfraquecer o sistema de Justiça e criar obstáculos ao trabalho de magistrados e do MP. 
Nessa linha, a PEC 89/2015, que propunha a estranha criação de juizados de instrução presididos por delegados de polícia. Como o nome já diz, juizado é presidido por juiz, que colhe provas sob o crivo do contraditório. Para um delegado poder exercer funções de juiz deve ser aprovado em concurso para juiz, sob pena de violarmos o princípio constitucional da separação de Poderes, porque delegados são subordinados ao governador ou ao presidente e quem preside um juizado de instrução deve ser independente.  
Em 29/11/2016 tivemos o público e notório pisoteamento das 10 Medidas contra a Corrupção, subscritas em projeto de iniciativa popular por quase 3 milhões de cidadãos brasileiros. E exatamente uma semana antes, à exceção de apenas quatro dos 35 partidos – Rede, PSOL, PHS e PPS –, os demais articularam anistia para todos os ilícitos praticados com caixa 2 eleitoral e pretendiam aprová-la em votação secreta. Isso só não se concretizou porque a manobra acabou vazando e a sociedade se mobilizou, reagindo fortemente contra a iniciativa. 
Recentemente, sem alarde, o PL 7.448 caminhou sem discussões, sem audiências públicas na Câmara, sem debate em plenário e foi aprovado, trazendo em seu bojo simplesmente o desmantelamento do sistema de combate à corrupção, afetando especialmente o TCU, permitindo contratações com graves afrontas à lei sob o argumento de “modernização do sistema”. Seria um ataque grave ao Direito Administrativo. Nos “acréscimos do segundo tempo”, a sociedade civil virou o jogo com muita luta, conseguindo demonstrar os riscos do projeto, o que levou o presidente da República a vetar os mais escandalosos dispositivos. 
O que se percebe em todas as situações é que o farol que tem iluminado o exercício do poder é apenas o da autoblindagem, como detectou a pesquisa Latinobarometro 2017 (97% dos brasileiros consideram que os políticos somente exercem o poder em próprio benefício), ganhando força, por isso, ideias como a das candidaturas avulsas. 
Não foi diferente a inspiração do projeto que pretendia impedir a colaboração premiada de presos, ferindo frontalmente o princípio da isonomia, assim como o decreto de indulto presidencial “Black Friday”, que liquidava 80% das penas de corruptos numa canetada, esta contida pelo STF. 
Nesse cenário surgem agora o projeto do novo Código de Processo Penal (CPP), sob a relatoria do deputado Delegado João Campos, e o “Estatuto de Responsabilidade Civil”, de autoria do deputado Hugo Napoleão (o mesmo proponente da PEC 89). São projetos que exigem extrema atenção da sociedade. Trazem questões delicadíssimas dentro de si.  
O projeto do CPP (elaborado por advogados e professores) estipula prazo de duração para inquéritos, como se fosse possível haver uma tabela e como se os casos não tivessem complexidades distintas. Passou o prazo, impunidade! Além disso, a prova colhida nos inquéritos é jogada fora e desconsiderada no processo, e sem cerimônia ressuscita-se a PEC 37, pois novamente se vulnera brutalmente o poder de investigação do MP, mesmo depois de decisão do pleno do STF que o consolidou. 
O “Estatuto da Responsabilidade Civil” nada mais é que o projeto do abuso de autoridade maquiado e disfarçado, que pretende, na verdade, minar a independência do Judiciário e dificultar o combate à corrupção, o que reforça as evidências de não mais vivermos uma real democracia, mas uma verdadeira tirania, em que se pretende de forma indisfarçável tornar inviável o exercício livre da magistratura e do Ministério Público no Brasil. 
*DOUTOR EM DIREITO PELA USP, PROMOTOR DE JUSTIÇA EM SÃO PAULO, É IDEALIZADOR E PRESIDENTE DO INSTITUTO NÃO ACEITO CORRUPÇÃO
Mais conteúdo sobre:
Espaço Aberto Roberto Livianu corrupção O Estado de S. Paulo Ministério Público TCU [Tribunal de Contas da União] STF [Superior Tribunal Federal] corrupção eleições 2018 
Encontrou algum erro? Entre em contato
Siga o Estadão 
  
Institucional
    • Código de ética 
    • Politica anticorrupção 
    • Curso de jornalismo 
    • Demonstrações Contábeis 
    • Termo de uso 
Atendimento
    • Correções 
    • Portal do assinante 
    • Fale conosco 
    • Trabalhe conosco 
Conexão Estadão
    • Broadcast 
    • Broadcast político 
    • Aplicativos 
Hoje

    • Acervo 
    • PME 
    • Jornal do Carro 
    • Paladar 
    • Link 
    • iLocal 
    • Agência Estado 
    • Rádio Eldorado 
    • Rádio Estadão 
    • Planeta Digital 
    • Moving Imóvei
==//==



Mensagem de Thomas Korontai sobre a paralisação dos caminhoneiros


13 visualizações

50
COMPARTILHAR


Thomas Korontai Pré-Candidato
Publicado em 28 de mai de 2018

INSCRITO 186

Thomas Korontai Primeiro candidato independente à Presidência da República. facebook: 
http://www.facebook.com/tkpresidente2018

Categoria
Notícias e política
Licença
Licença padrão do YouTube
MOSTRAR MENOS

0 comentários

CLASSIFICAR POR

==//==




Artigos 
4 motivos que comprovam a importância do Facebook para negócios

  
Por Guilherme Lippert 
Publicado em 6 de fevereiro de 2017 
Comentários
Você sabe a real importância do Facebook para negócios?
Com o avanço da internet nas últimas décadas, novas oportunidades de negócios têm surgido no meio digital, possibilitadas pela conexão em grande escala que o mundo virtual tornou possível para todas as pessoas que tivessem acesso à rede. 
Sendo assim, tornou-se uma opção bastante lógica para os empreendedores investirem mais tempo, dinheiro e disposição na internet como meio de lucrar com a modernidade.

E nesse meio tempo em que a internet se popularizou e passou a ser utilizada por todos, o que cresceu juntamente com ela foi a quantidade de mídias sociais que passaram a ser utilizadas em massa pela população.
Conectando um grande número de pessoas, as redes se tornaram grandes polos de concentração de público, onde conteúdo passou a rodar livremente. A maior de todas é, sem dúvida, o Facebook.
Hoje, essa rede social já se tornou mais que uma opção para empreendedores e passou a ser uma necessidade.
Continue lendo para conferir 4 motivos que comprovam a importância do Facebook para negócios.
1. Maior rede social do mundo
Desde a sua criação, no início do século XX, a rede social Facebook tem crescido de forma acelerada e conquistado, ao longo de seu caminho até o topo dos sites na internet, um número inacreditável de usuários.
Grande parte das pessoas, independente do lugar em que vive ou da idade, possui uma conta  ativa na rede social e está conectada, criando, recebendo, curtindo e compartilhando conteúdos a todo instante.
O Facebook se tornou, assim, a maior rede social do mundo moderno, reunindo em seus domínios um número expressivo de pessoas. Para os empreendedores, essa é a oportunidade perfeita de levar o seu negócio ao meio digital, para encontrar seu público-alvo, chamar a atenção de pessoas interessadas e também reunir clientes de forma muito mais eficaz.
2. É fonte de audiência
No Facebook, encontramos um número absurdo de pessoas conectadas e ativas o tempo todo, buscando conteúdos e interagindo com eles. Um empreendimento que deseja usar a rede social para fins comerciais tem acesso facilitado a esse público, ou seja, utilizar o Facebook para negócios é uma ótima oportunidade.
Com um grande número de usuários assim, fica muito mais fácil encontrar o público interessado nos produtos ou serviços que se está oferecendo. A grande quantidade de tráfego diário do site torna o ambiente perfeito para publicar conteúdo e fazer negócio com pessoas interessadas.
Mas atente-se para não fazer somente publicações relacionadas a venda. Você deve ter em mente que as pessoas não entram no Facebook para comprar, mas sim para se relacionar com outras pessoas e marcas. Uma estratégia bem definida de conteúdo é fundamental para o sucesso na rede social.
3. Oportunidade para publicidade
O Facebook permite que as empresas criem páginas próprias, para divulgarem seus conteúdos, produtos, serviços e, principalmente, conectarem-se com clientes e prospects. Isso faz com que os usuários da rede social encontrem mais facilmente aquilo que procuram, sem precisar sair do site.
Ainda há a possibilidade de criar anúncios para serem veiculados no Facebook, o que aumenta consideravelmente o alcance das suas publicações. Atualmente, anunciar no Facebook é também um ponto muito importante para as empresas em geral, pois o alcance orgânico, ou seja, o alcance não pago das publicações, é muito baixo.
4. É uma nova realidade para os negócios
O tempo em que o Facebook para negócios era apenas uma nova tendência já passou. Hoje, a rede social está focada em aumentar sua base de usuários. 
Para os empreendedores, o site se tornou uma oportunidade de negócios pelas condições favoráveis que oferece, que tornam a tarefa de encontrar e atrair o público mais simples e prática.
Com certeza utilizar o Facebook para negócios é uma excelente ideia. E você, vai ficar de fora?
Se quiser ir além, confira agora mesmo nosso e-book exclusivo com 5 dicas para alavancar a página da sua empresa no Facebook.
*Conteúdo produzido por Pedro Sicuro, co-fundador da Expressa Design.

Guilherme Lippert
Atualmente Traffic Manager na V4 Company, já passou por todas as áreas da empresa, desde Design, Produção de Conteúdo, Gerenciamento de Redes Sociais, 2 anos atuando na frente de Produção Multimídia e, atualmente, fazendo a compra e gerenciamento de tráfego de todos os clientes da V4 Company.
Mais posts 
Tags 
Clique para comentar 


O que aprendi com Kevin Harrington 

Marketing Multinível com Marketing Digital 


Na V4 Company nos consideramos cientistas do marketing, pesquisamos e testamos as melhor hipóteses do Marketing Digital com o objetivo de vender online.
Nesse portal você vai saber tudo sobre o mundo do Marketing Digital.
    • 
Facebook
MAIS LIDOS
    • Como DIMINUIMOS o CUSTO de uma campanha em 70% | V4 CASES
    • Como GERAMOS mais OPORTUNIDADES de NEGÓCIOS | V4 CASES
        ◦ Como obtivemos RETORNO de 11x e um produto REIMAGINADO | V4 CASES
    • Como CONSEGUIMOS 18x de RETORNO sobre o investimento de um EVENTO | V4 CASES
        ◦ Como fizemos vendas em um grupo de WhatsApp | V4Cases
    • A Verdade sobre o curso de marketing digital da Udacity | V4 Verdade Nua e Crua 

    • Serviços 
    • Vídeos 
    • Podcast 
    • BLOG 
    • Sobre nós 
© V4 Company LTDA - Rua Frei Orlando, 33 - Sala 201 - Canoas/RS | CNPJ 16.961.448/0001-01
Topo 








==//==

Novembro 27, 2017 Walter Bardawil

Escritórios “Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria” e “Rocha, Marinho e Sales” estariam ligados por meio de laranjas
O Ministério Público Federal (MPF), através do vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, ofereceu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) denúncia crime contra a desembargadora cearense Sérgia Maria Mendonça Miranda por fraude envolvendo a massa falida da Simcol.
Ela despachou liminar e ordenou, indevidamente (em um de seus plantões), o pagamento de cheque no valor de R$ 1.119.932,01 (hum milhão, cento e dezenove mil, novecentos e trinta e dois reais e um centavo) ao escritório “Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria”, que, na época, em maio de 2013, havia prestado serviços advocatícios à empresa.
Além de Sérgia, estão enrolados Frankraley Oliveira Gomes – namorado da desembargadora à época -, Paulo Fernando Mendonça e Cláudia Adrienne Sampaio de Oliveira.
Confira trecho da denúncia do MPF

Parceria Laranja
A SIMCOL teria sido também prejudicada, de forma criminosa, através de outra liminar  da mesma desembargadora. A empresa foi forçada a efetuar o pagamento  de valores altíssimos (superiores a R$ 1 milhão) ao escritório de advocacia “Rocha, Marinho e Sales”, pertencente ao advogado Caio Asfor. 
O pagamento se deu por meio de um “laranja” ligado ao escritório “Sampaio, Tavares Advocacia e Consultoria”.  
A denúncia  foi encaminhada ao ministro do STJ, Herman Benjamin, pelo empresário Gilberto Martins Borges, sócio majoritário e representante da empresa falida.
Documento de Gilberto Borges

THE END

Nenhum comentário:

Postar um comentário