Google+ Followers

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Augusto Nunes explains how he left from TV Cultura "RODA VIVA PROGRAM" - HE DENOUNCES POLITICAL PRESSURE / Augusto Nunes explica saída do Roda Viva


SOURCE / LINK: https://www.oantagonista.com/brasil/augusto-nunes-denuncia-pressao-politica-no-roda-viva/

AUGUSTO NUNES DENOUNCES POLITICAL PRESSURE ON TV CULTURA “RODA VIVA” PROGRAM

save brazil 31.07.18 11:02
ALSO SEE YOUTUBE VIDEO: https://youtu.be/PWB_G98E1hM


The journalist Augusto Nunes, who anchored Roda Viva until March, decided not to renew his contract with TV Cultura because of the political pressure made by the advisors of the station maintained by the São Paulo government.

Nunes told the channel of the journalist Marcelo Bonfá on Youtube that the curator's council was forcing names both to be interviewed and to conduct interviews.

"There was pressure for us to start inviting politicians who were friends of the councilors. I left the choice of interviewers to production. I just wanted independent journalists to ask objective questions. But they [counselors] began to suggest names, to put pressure on them. The Culture Council has a bunch of people who spend the day there. Because they're retired, they have plenty of time, they just sit there gossiping. "




Nunes said that he sought the president of Culture, Marcos Mendonça.

"I said to him, 'I want to know what this year is going to be like.' I wondered if journalism was going to regain control of Roda Viva or if that pressure was going to continue. [Mendonça said:] 'Look, this year is electoral, I must say it will get worse.'
One of the pressures, according to Nunes, was for ministers to be interviewed.

"They said: 'You have to call the Minister of Education [José Mendonça Filho], the Communications [Gilberto Kassab], the Health [Ricardo Barros]'. [I would argue:] 'But we have already called, they came here when they took over.' 'Yes, but they are commitments ...'. They come here to compliment each other, they all say they've done a great job, and then they're going to run. "
For Nunes, the council uses Roda Viva as a political platform for its comrades.

"Some counselors said that there were only people who were not left. But there were several left, all well cared for. Others just were not because they refused. Lula and Rousseff, for example, invited me every month. I've invited them for years, they never wanted to go.
 "
Pressed, Nunes decided to skip off the show.
"I said, 'I do not want it any more. Top do the interviews with the ministers, but my last date I want for me '. "
He then invited Judge Sergio Moro to the Saturday which marked his farewell and Roda Viva broke his record of hearing.

"I like to stay in any position for the time of a political term, because you're going to wear out naturally for episodes like that. I got rid of those pressures that I have never tolerated, and that I can spare at this point in my life. Because no one is made of iron. "
Nunes remembered the message that he sent on the air in his farewell (and that The Antagonist registered).

"I sent word: 'I hope the program continues to follow the path of independent journalism.' Because it is a dangerous route, but it is the only one that leads to a good port. I did the warning. If the Wheel Live follows, it survives; otherwise, he dies. "
With Ricardo Lessa instead of Nunes, Roda Viva followed the Wikipedia route.




Related topics:
    • Augusto Nunes Roda Viva TV Cultura
PreviousNext
Read too:
        ◦ Research signals Marina as 'vote of the undecided'
      01.08.18 12:46
        ◦ BOLSONARO LEADS INTRANSFERABLE VOTING RANKING
      01.08.18 12:39
        ◦ PRP closes with Alvaro Dias
      01.08.18 12:37
The Antagonist in your email
 
Receive our free newsletter with exclusive content *
Privacy policy


TV Antagonist
    •
              Minister of Culture quotes Flip as an example of positive economic impact
    •
              The 4 reasons of the Minister of Culture
    •
              VIDEO: Confusion in front of FTS

Leave your comment
The comments do not represent the opinion of the site; responsibility lies with the author of the message;
Publication time: 4 minutes
Post comments without typing name, email, and reCaptcha. Password:

300





    1. hjr said:
       August 1, 2018 at 11:34
       THAT HAS BEEN ALTERNATIVE PRESS, THE DIRECTORS GET ANY SALARY ????
       Get into the conversation
Read more 250 comments



© 2018 - THE ANTAGONISTA All rights reserved
Brazil Culture Economy World Society Videos Meeting of the Board Podcasts
Newsletter Contact Privacy Policy Terms of Use 

==//==


COMENTÁRIO SOBRE JAIR BOLSONARO NO RODA VIVA EM 30/07/18



Por razões nitidamente ideológicas, a direção do programa reuniu uma série de jornalistas "vermelhos", que não escondiam, em momento nenhum, seu viés esquerdista e a ideologia que defendem. Apesar de provocado com perguntas que, com a intenção de confundi-lo, eram feitas de forma múltipla, Bolsonaro surpreendeu, mantendo um equilíbrio que não ostentava anos atrás.  Maduro, respondeu a perguntas com argumentos fortes e contundentes, que os jornalistas, frustrados, não conseguiram retrucar. Teve a coragem de falar numa cadeia aberta de Tv das atividades do Foro de São Paulo, —que surpreendentemente, a maioria da população brasileira ainda não conhece —,  das doações petistas às ditaduras estrangeiras, dos grupos de guerrilheiros dos quais participou Dilma Roussef, e soube se posicionar muito claramente, escapando das ciladas e armadilhas, que eram lançadas a todos momento. 
Creio que esta entrevista, por si só, já definiria a vitória de Bolsonaro, caso as eleições sejam limpas. Com urnas eletrônicas e sem o voto em cédula de papel (como alternativa, já que não há tempo para que se cumpra a lei que exige o voto impresso), tudo fica mais nebuloso. Daí a importância do povo lutar pelo VOTO AUDITÁVEL, enquanto é tempo.

 
Esperava muito pouco desta entrevista, mas foi uma muito grata surpresa! 

ASSISTAM A ENTREVISTA NO LINK DO YOUTUBE, E DIVULGUEM:

http://www.youtube.com/watch?v=RQ6gDUTMtLc

SEE ALSO:


LINK:
http://bradoemunissono.blogspot.com/2018/08/brazilian-trump-what-are-in-fact.html



COMMENT ON Roda Viva | JAIR BOLSONARO | 7/30/2018


BY MARIZZIO CANALI




For clearly ideological reasons that August Nunes fore “Roda Viva” Presenter, the program's leadership brought together a number of left-wing journalists, who at no time concealed their leftist bias and the ideology they espoused. Although provoked with questions that, with the intention to confuse it, were made of multiple form, Bolsonaro surprised, maintaining a balance that did not show years ago. In a mature manner, answered questions with strong and forceful arguments, which the journalists, frustrated, failed to respond. He had the courage to speak in an open TV network of the activities of the “Forum of Sao Paulo”, - surprisingly, the majority of the Brazilian population does not yet know -, the Worker’s Party (PT) donations to the foreign dictatorships, the guerrilla groups in which the fore President Roussef participated, and he knew how to position himself very clearly, escaping from the pitfalls and pitfalls that were thrown at all times.

I believe that this interview, by itself, would already define Bolsonaro's victory, should the elections be cleaned. With electronic voting machine and without ballot paper voting (alternatively, since there is no time for the law to be fulfilled that requires the printed vote), everything becomes more hazy. Hence the importance of the people fighting for AUDITABLE VOTE, while it is time.
 
I was expecting very little from this interview, but it was a very pleasant surprise!


ATTEND THE INTERVIEW ON THE YOUTUBE LINK, AND DISCLOSE:


LINK; http://www.youtube.com/watch?v=RQ6gDUTMtLc


==//==
#BRAZILIAN TRUMP - WHAT ARE IN FACT THE CHANCES OF BOLSONARO TO BECOME PRESIDENT OF BRAZIL? 
What is the role of journalism in the national debates in Brazil? Is TV Cultura “Roda Viva” Program an Independent Journalism?
    • 2018 BRAZILIAN ELECTIONS BRAZIL - DEPUTY JAIR BOLSONARO DURING PARTICIPATION  OF DIRECT INTERVIEW IN TV CULTURA “RODA VIVA” HAS SECOND BEST AUDIENCE OF THE YEAR IN BRAZIL
    • BRAZIL'S RISING TIDE OF YOUNG CONSERVATIVES SEEKS CHANGE. BRAZILIAN TRUMP
    • AUGUSTO NUNES DENOUNCES POLITICAL PRESSURE ON TV CULTURA “RODA VIVA” PROGRAM
    • WHAT A BOOMING ECONOMY MEANS FOR THE MIDTERMS 
    • IMPEACHMENT OF TOFFFOLI, MENDES AND LEVANDOWSKY  NOW! SIGN PUBLIC PETITION
    • MPF(BRAZILIAN FEDERAL PROSECUTIONS OFFICE)  DENOUNCES SÉRGIA MIRANDA FOR FRAUD AT SIMCOL AND SHOULD INVESTIGATE CAIO ASFOR NOVEMBER 27, 2017 WALTER BARDAWIL (SIMCOL’S ISSUE ONGOING)











COMENTÁRIO SOBRE JAIR BOLSONARO NO RODA VIVA EM 30/07/18



Por razões nitidamente ideológicas, a direção do programa reuniu uma série de jornalistas "vermelhos", que não escondiam, em momento nenhum, seu viés esquerdista e a ideologia que defendem. Apesar de provocado com perguntas que, com a intenção de confundi-lo, eram feitas de forma múltipla, Bolsonaro surpreendeu, mantendo um equilíbrio que não ostentava anos atrás.  Maduro, respondeu a perguntas com argumentos fortes e contundentes, que os jornalistas, frustrados, não conseguiram retrucar. Teve a coragem de falar numa cadeia aberta de Tv das atividades do Foro de São Paulo, —que surpreendentemente, a maioria da população brasileira ainda não conhece —,  das doações petistas às ditaduras estrangeiras, dos grupos de guerrilheiros dos quais participou Dilma Roussef, e soube se posicionar muito claramente, escapando das ciladas e armadilhas, que eram lançadas a todos momento. 
Creio que esta entrevista, por si só, já definiria a vitória de Bolsonaro, caso as eleições sejam limpas. Com urnas eletrônicas e sem o voto em cédula de papel (como alternativa, já que não há tempo para que se cumpra a lei que exige o voto impresso), tudo fica mais nebuloso. Daí a importância do povo lutar pelo VOTO AUDITÁVEL, enquanto é tempo.

 
Esperava muito pouco desta entrevista, mas foi uma muito grata surpresa! 

ASSISTAM A ENTREVISTA NO LINK DO YOUTUBE, E DIVULGUEM:

http://www.youtube.com/watch?v=RQ6gDUTMtLc


==//==



SOURCE / LINK: https://www.noticias.yahoo.com/com-bolsonaro-roda-viva-tem-002200963.html

2018 Brazilian Elections Brazil - Deputy Jair Bolsonaro during participation  of Direct Interview in TV Cultura “Roda Viva” has second best audience of the year in Brazil

GUSTAVO FIORATTI
Folhapress July 31, 2018






SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - With the interview of presidential candidate Jair Bolsonaro (Social Liberal Party - PSL) on Monday (30), Roda Viva, TV Cultura, reached its second highest audience of the year.

The program only did not exceed the numbers referring to the night that Judge Sérgio Moro had as a guest in March. At that time, the Roda Viva won the largest audience in 18 years, since when it began to compute its audience.

The interview with Bolsonaro was the tenth in a series dedicated to the presidential candidates (see next the hearings corresponding to each, according to Ibope).
In the center of the bench, Bolsonaro answered questions about politics, ideological positions and was provoked on his statements, pointed out as racist and xenophobic.
He again attacked the anti-homophobia kit proposed by the Ministry of Education in 2011 and defended when the interviewers pointed to low use of their proposals as a parliamentarian.

Among other projects, he cited the drafting of a law that provided for chemical castration for convicted rape.

TV Cultura's weekly show had 2.3 points of average with peaks of 2.8 points, ranking fourth in the ranking of broadcasters, according to consolidated data in Greater São Paulo.

At the same time, Globo made 25.8 points. SBT came in second with 9.3. In third, the Record reached 5.3 points average.

During the presentation, the anchor Ricardo Lessa announced: "We are, thanks also to the followers of the deputy, first world-wide on Twitter." He was referring to the network trending topics.
According to Fundação Getúlio Vargas (FGV) Dapp's research, the Bolsonaro interview mobilized 717,308 publications on Twitter between 20h Monday (30) and 8h on Tuesday (31), and the debate was divided into who was in favor of the candidate (25.96%) and against (54.28%).

The audience in the networks have been many times more expressive than the measure during the show of the program in the TV.

The views of the interview with Bolsonaro on Youtube, until 20h on Tuesday (31), exceeded 1.6 million.

The interview with Ciro Gomes, at the end of May, is among the highest audience in the series, with 1.1 audience and 1.3 million views on Youtube, also in measurement up to this Tuesday.

Last week, Geraldo Alckmin yielded to the weekly 0.4 in Ibope, plus 147 thousand views on Youtube.
Guilherme Boulos, Alvaro Dias, Marina Silva and Manuela D'Ávila had stakes that generated more public than the PSDB candidate.


Sign in to post a message.




==//==
SOURCE / LINK: https://www.oantagonista.com/brasil/augusto-nunes-denuncia-pressao-politica-no-roda-viva/


AUGUSTO NUNES DENOUNCES POLITICAL PRESSURE ON TV CULTURA “RODA VIVA” PROGRAM

save brazil 31.07.18 11:02
ALSO SEE YOUTUBE VIDEO: https://youtu.be/PWB_G98E1hM












The journalist Augusto Nunes, who anchored Roda Viva until March, decided not to renew his contract with TV Cultura because of the political pressure made by the advisors of the station maintained by the São Paulo government.

Nunes told the channel of the journalist Marcelo Bonfá on Youtube that the curator's council was forcing names both to be interviewed and to conduct interviews.

"There was pressure for us to start inviting politicians who were friends of the councilors. I left the choice of interviewers to production. I just wanted independent journalists to ask objective questions. But they [counselors] began to suggest names, to put pressure on them. The Culture Council has a bunch of people who spend the day there. Because they're retired, they have plenty of time, they just sit there gossiping. "




Nunes said that he sought the president of Culture, Marcos Mendonça.

"I said to him, 'I want to know what this year is going to be like.' I wondered if journalism was going to regain control of Roda Viva or if that pressure was going to continue. [Mendonça said:] 'Look, this year is electoral, I must say it will get worse.'
One of the pressures, according to Nunes, was for ministers to be interviewed.

"They said: 'You have to call the Minister of Education [José Mendonça Filho], the Communications [Gilberto Kassab], the Health [Ricardo Barros]'. [I would argue:] 'But we have already called, they came here when they took over.' 'Yes, but they are commitments ...'. They come here to compliment each other, they all say they've done a great job, and then they're going to run. "
For Nunes, the council uses Roda Viva as a political platform for its comrades.

"Some counselors said that there were only people who were not left. But there were several left, all well cared for. Others just were not because they refused. Lula and Rousseff, for example, invited me every month. I've invited them for years, they never wanted to go.
 "
Pressed, Nunes decided to skip off the show.
"I said, 'I do not want it any more. Top do the interviews with the ministers, but my last date I want for me '. "
He then invited Judge Sergio Moro to the Saturday which marked his farewell and Roda Viva broke his record of hearing.

"I like to stay in any position for the time of a political term, because you're going to wear out naturally for episodes like that. I got rid of those pressures that I have never tolerated, and that I can spare at this point in my life. Because no one is made of iron. "
Nunes remembered the message that he sent on the air in his farewell (and that The Antagonist registered).

"I sent word: 'I hope the program continues to follow the path of independent journalism.' Because it is a dangerous route, but it is the only one that leads to a good port. I did the warning. If the Wheel Live follows, it survives; otherwise, he dies. "
With Ricardo Lessa instead of Nunes, Roda Viva followed the Wikipedia route.




Related topics:
    • Augusto Nunes Roda Viva TV Cultura
PreviousNext
Read too:
        ◦ Research signals Marina as 'vote of the undecided'
      01.08.18 12:46
        ◦ BOLSONARO LEADS INTRANSFERABLE VOTING RANKING
      01.08.18 12:39
        ◦ PRP closes with Alvaro Dias
      01.08.18 12:37
The Antagonist in your email
 
Receive our free newsletter with exclusive content *
Privacy policy


TV Antagonist
    •
              Minister of Culture quotes Flip as an example of positive economic impact
    •
              The 4 reasons of the Minister of Culture
    •
              VIDEO: Confusion in front of FTS

Leave your comment
The comments do not represent the opinion of the site; responsibility lies with the author of the message;
Publication time: 4 minutes
Post comments without typing name, email, and reCaptcha. Password:

300





    1. hjr said:
       August 1, 2018 at 11:34
       THAT HAS BEEN ALTERNATIVE PRESS, THE DIRECTORS GET ANY SALARY ????
       Get into the conversation
Read more 250 comments



© 2018 - THE ANTAGONISTA All rights reserved
Brazil Culture Economy World Society Videos Meeting of the Board Podcasts
Newsletter Contact Privacy Policy Terms of Use 

==//==








SOURCE/LINK: https://www.bbc.com/news/world-latin-america-43414315
Brazil's rising tide of young conservatives seeks change
By Katy Watson BBC South America correspondent 
    • 
2 April 2018












'Brazilian Trump'
Sara's political idol is the far-right presidential candidate Jair Bolsonaro. 
Image copyright Reuters Image caption Jair Bolsonaro is currently second in the polls 
Many refer to Mr Bolsonaro as the "Brazilian Trump", the two are very different men in very different countries but the similarities, or rather the set of circumstances that allow them to both exist, are uncanny. 
Mr Bolsonaro brands himself as different from all the rest, a clean candidate amid a sea of corrupt politicians that has been the talk of Brazil for the past few years. 
He has been accused of being homophobic and told a congresswoman she was not worth raping. He has ranted against minorities and has called for looser gun laws. 
Jair Bolsonaro does not hold back. 
But Sara will not have a bad word said against him. "I know it sounds really awkward, but really, if any woman could see Bolsonaro's policies, she would be in love, like me!" 
She gushingly talks about one of his proposals - chemically castrating rapists. 
"We have so many feminist congresswomen, why didn't they suggest this before?" she asks. "Bolsonaro did it."
Growing right
While many people wince at Jair Bolsonaro's politics, he remains a popular figure. 
He is currently second in the presidential polls after former President Lula, who may not even be able to run now because of his corruption conviction.
While Mr Bolsonaro is at the extreme end of the right, conservative politics more generally are enjoying a comeback in Brazil - this in a country that until 1985 was ruled by a military dictatorship.
Right-wing pressure groups like the Free Brazil Movement, or MBL in Portuguese, are finding big audiences.
Image copyright Getty Images Image caption The Free Brazil Movement (MBL) emerged out of mass anti-corruption protests in 2016 
The MBL started its life on the streets, calling for then President Dilma Rousseff to be impeached. 
It has since strengthened by going online. It has more than 2.5 million followers on Facebook who avidly watch their political videos criticising Brazil's left-wing politicians. 
The MBL calls itself libertarian. It wants a freer country with a smaller state, its way. But its politics are hard to define because most members also hold conservative views on abortion and gun ownership.
"The problem is that some parts of Brazilian mentality, especially the left-wing mentality, say that the Conservatives are always totalitarians, always on the wrong side of things," says Pedro Ferreira, an MBL co-founder. 
"Whenever they try to voice what they feel they are called fascists or Nazis." He says the internet has changed things. It has allowed people to find their own voice, to find their values. 
"That is why we have Trump, that is why we have Brexit, that is why we have MBL. We have the common people's voice being heard," he says. 
Image copyright Reuters Image caption There is widespread discontent with politics in Brazil following high-level corruption protests 
"That is scaring a lot of people but that is very democratic."
Experts say Brazil's corruption scandals have been fertile ground for this kind of politics. 
"You have a total mistrust of every kind of authority in Brazil, so for these movements that propagate hell, that show that everything is wrong, this kind of scenario is very useful," says Prof Rafael Alcadipani.
"They pick up very small things in reality and try to magnify them as if these were the biggest problems in Brazil."
Prof Alcadipani accuses movements like the MBL of propagating fake news. But it is an accusation the right makes against the left, too. 
A wider vision of the right?
While the MBL essentially remains a movement, some of its members have entered politics on other parties' tickets.
Twenty-one-year-old Fernando Holiday may be one of the MBL's leading figures but he ran for and won a seat as city councillor in São Paulo for the Democrats party.
Image caption Fernando Holiday, 21, says that the MBL is reshaping views on the right in Brazil 
An unusual poster boy for conservatism, he comes from a poor family and is gay.
He thinks young Brazilians had, until recently, become disengaged with politics. 
"The right became synonymous with more conservative politics, irrelevant for minorities," he says. 
"It also became associated with authoritarian, even nostalgic feelings about the dictatorship, like Bolsonaro." 
"But I think we bring a wider vision of what the right is," he explains. "Not everything fits into a standard box and is determined by rigid rules." 


Copyright © 2018 BBC. The BBC is not responsible for the content of external sites. Read about our approach to external linking.



==//==

SOURCE/LINK: https://www.npr.org/2018/04/01/598525147/what-a-booming-economy-means-for-the-midterms
Politics 
What A Booming Economy Means For The Midterms 
April 1, 20187:00 AM ET 
 
President Trump boasted about economic gains under his presidency on Thursday, during a rally at a facility of the Operating Engineers Apprentice and Training, in Richfield, Ohio. 
Jeff Swensen/Getty Images 
Despite a wave of controversies, President Trump's popularity seems to be rising ever so slightly, according to a couple of recent polls. The bump may be linked to the fact that more Americans seem to be crediting Trump for the nation's healthy economy. And that has raised one of the central questions of the midterm election season: whether the economy will help keep Republicans in control.
Voters like Allen Cowan, a 50-year-old from West Virginia, might offer some clues. Cowan considers himself a socially liberal, fiscally conservative voter, the type of voter who reluctantly chose Donald Trump in 2016.
"I held my nose at the voting booth," Cowan said. But, these days he's satisfied with at least one aspect of the Trump era.
"Financially speaking, I cannot complain," he said. "My retirement I have through my employer has shown a remarkable increase."
Still, neither Cowan's personal finances nor the economic health of the country have changed his overall opinion of the president.
"I can look at President Trump and be like 'OK, his policies in regards to the economy and stuff are good for the nation.' But I'm still going to think President Trump — the whole kit and caboodle — is a bitter pill to swallow," he said.

And Cowan is not alone.
Trump's average approval rating is around 41 percent, which is not as high as you would expect, given the country's low unemployment numbers, soaring stock market and expanding economy.
Granted, research by Mary Stegmaier, a professor at the University of Missouri, has shown there's generally a lag in how the public perceives who's responsible for the economy.
"The first year of a presidency is quite different than later years ... because when a president is inaugurated he has inherited the economy from his predecessor," she said. "It takes a while for the public to start holding the new president responsible for the economic conditions."
 
Business 
Tech Stocks Have Lost Some Of Their Luster, Dragging The Stock Market Lower
And recent polls suggest the political winds may be shifting, as an increasing number of Americans begin crediting Trump over former President Obama for the current economic conditions.
The other complication for Republicans in an election year is that even though people might feel optimistic about the economy on a macro level, veteran GOP pollster David Winston says, many people are still not feeling financially secure on a personal level.
 
The Two-Way 
Modest Wage Gains In February As Economy Adds Robust 313,000 Jobs
"There's a sense that things are improving, but it's going to take some time for that to evolve into a comfort level," Winston said, pointing to a recent survey his consulting company conducted that showed many Americans still feel like they're living paycheck to paycheck, just a few hundred dollars away from a financial crisis.
"People are still assessing — is this a temporary moment in the economy, or is this something longer term that they can have some confidence in that will let them then economically behave differently," Winston explained.
Still, if Republicans are going to focus on one issue they think could give them a boost this campaign season, it's the economy (and taxes). Winston says it's imperative for Republican elected officials to sell the tax plan.
He says the economy is central for most voters.
"If you just take a look at the exit polls, the economy tends to pretty consistently be the top issue," Winston said.
At a rally in Richfield, Ohio, Thursday, the president bragged about the strength of the economy under his presidency.
"Unemployment claims are at their lowest level in 45 years," he said, repeating that last line to applause. "Lowest level — 45 years!"
Trump then told his supporters he needs them this November in order to keep this economy rolling.
"We can't lose that by getting hurt in the midterms, so we can't be complacent," he told the crowd gathered at a local union apprenticeship and training center. "There's never been an economy like this; everyone says it's the most important thing."
But the assumption that positive economic conditions have a direct effect on swinging seats in midterms is something Alan Abramowitz, a political science professor at Emory University, questions. Abramowitz has looked at the results of every midterm dating back to World War II.
 
1968: How We Got Here 
Remembering 1968: LBJ Surprises Nation With Announcement He Won't Seek Re-Election
He said the best predictor in midterms is the "generic ballot" — a poll question that asks voters which party they'll vote for in Congress (rather than a specific candidate question).
In Abramowitz's research, the other key factor is the president's approval rating.
"The approval rating itself is a much better predictor of what's going to happen in midterm elections than any measure of economic trends," he said.
The economy, of course, can factor into a president's approval numbers, and Abramowitz says his research shows that when we have an economy in a recession, it almost certainly will bring a president's approval rating down, but "when you have a sort of mediocre to good economy, it doesn't necessarily mean the president is going to be popular."
And in situations when the economy and a president's approval rating are not in sync — as is the case these days in the Trump presidency — Abramowitz says the approval rating tends to be far more important.
"We saw something very similar back in the 1960s," he said. "In 1966, we had a midterm election, Lyndon Johnson was in the White House. The war in Vietnam was escalating and his approval rating had dropped, but the economy was very strong."
Democrats lost 47 House seats that year.
So, Abramowitz's message is that an economy that's chugging along may not be enough for voters to credit the party in power, which means Republicans need to figure out a way to tie the economy to how voters feel about the president before November ... so long as the economy stays in good shape.
    • © 2018 npr 


NPR thanks our sponsors
Become an NPR sponsor
==//==






==//==


SOURCE/LINK: http://convergencias.org.br/tse-denunciado-na-oea-com-carta-do-convergencias/

BRAZILIAN SUPERIOR ELECTORAL COURT (TSE) WAS  DENOUNCED IN THE ORGANIZATION OF AMERICAN STATES (OAS)  WITH LETTER BY “CONVERGENCIAS”

June 5, 2018 “Convergências” “Convergencia” 
 QUI17 - QUITO (ECUADOR) - 06/06/04 - General view of the opening of the XXXIV General Assembly of the Organization of American States (OAS) held this Sunday, June 6, at the National Theater of the House of Culture in Quito. EFE / Guillermo Legaria
DOCUMENT, SIGNED BY 96 MOVEMENTS AND CIVIL ENTITIES, WAS DELIVERED DIRECTLY TO THE HANDS OF SECRETARY GENERAL LUIZ ALMAGRO LEMES, AT THE 48TH GENERAL ASSEMBLY HELD ON THIS DATE IN WASHINGTON DC DENOUNCING THE LACK OF TRANSPARENCY IN THE BRAZILIAN ELECTORAL PROCESS

The letter, after the praxis presentations, highlights the scope:
We denounce, at this moment, the total lack of transparency in the current Brazilian electoral system, especially as regards the counting of votes, because the electronic voting machine do not issue any printed physical counter-tests for voter pre-confirmation before confirming their wish, as well as of any recount, and not respecting the Constitutional Principle of Publicity of administrative acts (article 37 of the Federal Constitution), making the entire electoral process ILLEGITIBLE, wounding death to Democracy, a process similar to what happened to our unhappy Venezuelan brothers.

The letter tells a brief history of the Brazilian case, making connections, and demonstrating that the authorities insist on breaking the law and even the Constitution, using machines that count votes in secret. The document was delivered by Prof. Hermes Rodrigues Nery, President of the Movement Legislation and Life, who attended the 48th General Assembly of the Organization of American States (OAS) at the invitation of the organization.
Prof. Hermes Nery delivers the Charter directly to the Secretary General

In the letter, the movements ask the OAS to intervene with questions from the Brazilian authorities, as well as to express its views on international human rights and political treaties that are endangered in Brazil.
Here is the Letter in its entirety, with the list of Signatory Movements:
Brazil, June 2018

THEORGANIZATION OF AMERICAN STATES
ATT .: MR. LUIS ALMAGRO LEMES
MD GENERAL SECRETARY
SUBJECT: ABSENCE OF TRANSPARENCY IN THE ELECTORAL PROCESS OF BRAZIL

Dear sir:

We coordinated a coalition of movements, groups and activists in the interest of the Brazilian people. These movements have millions of followers in particular by social networks and seek greater integration and effectiveness in their actions in the intelligent and peaceful defense of the State of Law and Democracy, legality of public acts, and also contribute to the authorities constituted by means of of criticisms, suggestions and collections, including actions in the political and judicial field. This coalition, whose denomination is “CONVERGENCIAS” does not have head office , since its components decide the actions through the social networks. And everything is published on a website: www.convergencias.org.br
We denounce, at this moment, the total lack of transparency in the current Brazilian electoral system, especially as regards the counting of votes, because the electronic ballot boxes do not issue any printed physical counter-tests for voter pre-confirmation before confirming their wish, as well as of any recount, and not respecting the Constitutional Principle of Publicity of administrative acts (article 37 of the Federal Constitution), making the entire electoral process ILLEGITIBLE, wounding death to Democracy, a process similar to what happened to our unhappy Venezuelan brothers.
MORE DETAILED DESCRIPTION OF THE SITUATION:
The current process, fully automated by means of electronic voting machines, although the disclosure of alleged benefits, such as "speed of calculation and elimination of huge queues", has many sensitive points and proven fragilities that make them unfit for their primary function. Even recently, the very court in charge of organizing and supervising the elections has carried out a public test of the process, of the software and of the electronic equipment, and confirmed several problems that had previously been pointed out by leading experts. The court's response was that the problems identified would be corrected in time for the election.

Implemented in 1996, the system, which does not produce any physical proof of the vote, proved to be absolutely unreliable. Needless to say, such a system puts democracy at risk by facing all the processes of transparency and compliance required in the treatment of the "public thing", especially in the choice of representatives of the Legislative Branch and of the Executive Branch, who will lead the country, as a rule, owe their satisfaction to the people.
Despite this, the Supreme Electoral Tribunal (TSE), despite the evidence already cited, insists irrationally on the inviolability of the electronic voting machine. Affirmations of this type are known to be crazy, since even more complex and protected systems are invaded daily by hackers, from anywhere on the planet.
In addition, other problems arise, such as the noncompliance with the law by the body that should supervise it, vicious processes of selection of companies that provide services and exorbitant costs of equipment and services.
On 09/29/2015, Law 13,165 was published which obliges the installation of printers in electronic voting machines to issue the physical proof of the vote. After two years, that court did not adopt any measures to comply with this law. No budgetary action was taken, much less if any steps were taken regarding the identification and homologation of printing equipment and respective field bids and tests, only starting such negotiations as of November 2017, in view of the increasing pressures that Convergências and other groups exercise over the TSE. In fact, it was only possible to take some emergency action due to the pressure exerted on the National Congress commission in charge of authorizing additions to the Union Budget, with the allocation of approximately R $ 250 million for this purpose.
The TSE stated that there were insufficient funds for the acquisition of 600 thousand ballot boxes with a printer at a cost of R $ 2.5 billion (US $ 800 million), but in the face of pressure from society, which gathered the correct information and proved that it would not be necessary to manufacture new urns, but only to couple printers to the existing ones, the TSE forced itself to adopt the mentioned alternative. However, avoiding to implement them in their entirety, the then President of TSE, Minister Gilmar Mendes, announced the acquisition of only 30,000 printers, which corresponds to about 5% of the total number of polls, he said, because there would be no time for the acquisition of all 600 thousand printers.
At this point we wish to emphasize that the use of printers in only 5% of the ballot boxes is a flagrant violation of the Brazilian constitutional right of equality of citizens before the law, since 95% of the voters can not have the physical control of the vote. This means that given the vote there is no certainty to whom it was intended other than the one that appears on the screen of the electronic ballot box. There is no way to vote. It violates the principle of transparency, which is mandatory in Article 37 of our Federal Constitution, which requires publicity, impersonality and legality of the administrative acts practiced by the State. Counting votes is an administrative act and therefore must be public. The ballot has been secret since 1996, since it is held electronically inside each ballot box in each electoral section, issuing a ballot box with all the ballots counted. There is also a possibility of fraud in the transmission of data to the regional courts (in each state) and to the Superior Electoral Court in the Federal Capital, as well as in the aggregation of each of these recipients, depending on the nature of the election, whether state or national. Without physical counterproduction, it is impossible to promote recounts.

The solution is, clearly, the adoption of ballot voting, with public count of votes after the closing of the election in each section of the election. Each one, having a low average number of voters - about 200 to 400 voters - makes it very easy and quick to count and issue the respective bulletin, distributing copies to all present in each section, be they party tax and candidates, are ordinary voters. By advertising such bulletins, you create a mirroring of results, increasing transparency and mitigating the possibility of fraud. And there will still be their own vows stored in the canvas urn, sealed, for eventual recount. As is done in Japan, Germany and USA, just to name a few. Public officials - who demand that we "have public faith in them" - although the state is secular and can not mix legal demands with professions of faith - accuse the system of ballot-voting anachronistic, but in fact, it is much more reliable than the current electronic ballot boxes. 

Not only for Convergencias, but for almost all of Brazilian society, it became evident that the Minister, the President of the TSE until the end of January / 18, avoided complying with the law at all costs. The current president, Minister Luiz Fux intends to follow in the same direction. However, this situation is seen as a prevarication by senior officials of the Brazilian State, that is, the noncompliance with the function for which they are responsible. The fact itself would already be worrying if it applied to common servers, but when such behaviors depart from servers of such high court, PROTECTED BY THEMSELVES, WHICH ARE PART OF THE SUPREME FEDERAL COURT, indicate serious signs of dysfunction in the political system. If this absurd situation persists, the tendency is the degeneration of the system, which could generate an acute and profound crisis in the country, leading us to the catastrophic situation of Venezuela.
Serious problems were also detected in the management of equipment costs. The unit cost of each printer, submitted by TSE, stands at R $ 2,000.00 (US $ 533.00). However, surveys carried out by specialists who are components of Convergências, in addition to others not related to it, have found that this value exceeds the market price of equivalent equipment by ten times. If we consider that the acquisition in large lots normally tends to reduce the unit price, it is certain that the cost of each one can be between R $ 200.00 (US $ 53.00) and R $ 400.00 (US $ 106 , 00), a drastic reduction of costs. Although it was possible to approve in the General Budget of the Union, through a National Congress, a sum of R $ 250 million (about US $ 66 million) that would serve to produce all the 600 thousand printers, the resource was not requested by the TSE .
At this juncture, Convergencias has adopted several procedures to demand from the institutions and responsible authorities the correct and complete compliance with the law so that the entire electoral process is fully transparent in the elections that will take place in the current year.
Aiming to react to these irregularities and illegalities, the “Convergencias” implemented several measures, among them the entry with actions in the Federal Court. One of them is a Popular Action that requires that the vote can be exercised by means of paper ballots in the sections in which the electronic ballot boxes do not provide voting impression equipment for voter pre-conference purposes, before final confirmation of the voting process. voting, thus allowing, if necessary, an audit action.


Even if the impression of the vote allows the subsequent conference, due to physical counter-trial, will incur in breach of constitutional rights if the TSE remains in the illegal provision to provide printers of votes only for a minimal portion of electronic ballot boxes. For this reason, it joined the aforementioned Popular Action, requiring the issuance of paper ballots and ballot boxes for the remaining 95% of the electoral sections. Other actions such as the Brazilian Homeland Association and the Brazilian Resgate Institute require the right of public scrutiny, based on the constitutional principle of publicity of public acts.
Surrounded, the authorities try to suspend the effects of the Law that introduced the compulsory printing of the vote, promulgated in 2015, as mentioned above, through a Direct Action of Unconstitutionality (ADIN) presented by the Attorney General's Office (PGR) to the Supreme Court Federal Court, even after the Letter of the “Convergencias filed and delivered to the Chief Prosecutor, Dr. Raquel Dodge, in which we requested action against the offenses of Minister Gilmar Mendes, then president of TSE and we informed about the actions of the Society in Federal Court. In a strange coincidence, the minister of the STF raffled was nothing more, nothing less than Minister Gilmar Mendes himself, simultaneously a member of the TSE and the STF (in fact, the structuring of the Brazilian Judiciary is very biased). In addition to the unprecedented action, which goes against the interests of the population, against the necessary transparency duly registered in the Federal Constitution (article 37), it also lays down against the Principle of Annuity (Article 16 of the Constitution) less than 12 months before the next election. To further aggravate the framework of immorality and illegality also in this case, the Minister of Justice Gilmar Mendes himself was the rapporteur for the measure proposed by the Attorney General of the Republic, who presided until February / 18 the TSE, being, by law, prevented from judging matter in the which is or has been a part, which is being disregarded by the other ministers of the Federal Supreme Court. That is, the judicial authorities are disrespecting head and shamelessly, the legislation and the Constitution that they have vowed to defend, as well as the legal obligation to do so.

The facts that dissuade all republican lawfulness are multiplied perpetrated by public agents increasingly devoid of modesty. Minister Gilmar Mendes, who presided over the TSE, moved his former direct advisor to be appointed as Director of Technical and Legal Affairs of the Federal Senate, where he has, against him, impeachment proceedings for several reasons. The impeachment processes that are the constitutional responsibility of the Senate of the Republic do not have a technical-juridical opinion exactly of this Executive Board, to which its former advisor was appointed. The Nation is shocked.
Although there is already legislation requiring paper ballots and canvas ballot to be made available at all polling stations in the event of failure in some electronic ballot box, the TSE has insisted on alternatives that entail enormous costs, such as the acquisition of entirely new ballot boxes in which are already coupled with the printers of votes. This insistence, one supposes, is due to the attempt to create a smokescreen to conceal the true intention, which is to keep the present system exactly as it is: susceptible of fraud. In the last election the conference of votes was carried out by a group of the TSE own and without access to any other citizen; the conference was secretly headed by Minister Dias Toffoli, a member of the Workers' Party (PT), an organization that is currently being challenged by Brazilian society in the face of many of its members being jailed and prosecuted by Operation Car Wash. There was no transparency in that calculation and totaling of the votes to the second round of the presidential elections, which occurred in 2014.

It is now expected that the Federal Court will comply with the judicial measures proposed by the Company. Thus, in addition to equalizing all voters in their constitutional rights, we will have 100 percent of the votes with the physical counter-vote for eventual audits.

We also inform that a Legislative Suggestion to the Senate (nº 39/17), which exceeded 20 thousand signatures in very short time, presented by one of the members of the Conclave for Democracy (which integrates Convergencies), was rejected by the Rapporteurship and by the Commission of Human Rights of the Senate (https://www12.senado.leg.br/noticias/audios/2018/02/cdh-rejeita-sugestao-do-retorno-ao-voto-em-cedula), under the justification that the printed vote is approved. That is, the People are being curtailed of their right to the transparency of the voting process in Brazil. We believe that the international organizations that fight against corruption in the world, seeking the transparency of public acts, should take note of this grave situation in Brazil, which is why we have issued this note, which is signed by Civil Movements and Activists in “Convergencias”.

As we have for the moment, we hope that this DENUNCIATION will be widely disseminated and that the OAS will consider the need to demand from the Brazilian authorities, compliance with the law and the Constitution, which are in line with International Treaties such as the Pact of San José de Costa Rica, of the Charter of Human Rights of the United Nations and of the Inter-American Democratic Charter, adopted at the OAS General Assembly in 2001, and we are at your disposal for further clarification.

Best regards,

“CONVERGENCIAS”
Civil Movements in Brazil

Thomas Korontai

Coordinator
Signatory Movements and Institutions (In alphabetical order):

Acampamento LAVA JATO
Bloco Movimento Brasil
Chega de Impostos
Curitiba Contra Corrupção
Direita Boa Esperança Do Sul
Direita Franca
Direita Guariba
Direita Jaboticabal
Direita Minas
Direita Minas – Bambuí
Direita Minas – Bom Despacho
Direita Minas –Borda da Mata
Direita Minas – Cambuquira
Direita Minas – Capitão Enéas
Direita Minas – Contagem
Direita Minas – Felisburgo
Direita Minas – Governador Valadares
Direita Minas – Itabira
Direita Minas – Ituiutaba
Direita Minas – Juiz de Fora
Direita Minas – Lavras
Direita Minas – Montes Claros
Direita Minas – Ouro Fino
Direita Minas – Paracatu
Direita Minas – Patos de Minas
Direita Minas – Poços de Caldas
Direita Minas – Ribeirão das Neves
Direita Minas – Samonte
Direita Minas – Santa Rita do Sapucaí
Direita Minas – Sete Lagoas
Direita Minas – Três Corações
Direita Minas – Uberaba
Direita Minas – Varginha
Direita Morro Agudo
Direita – Orlândia
Direita – RM Ribeirão Preto
Direita – São José (SJC/SP)
Direita Sertãozinho
Endireita Pernambuco
Instituto Legislação e Vida
Liga Federalista Nacional
Movimento Avança Brasil
Movimento Federalista
Movimento Rua Brasil
Resistência Popular SM
UNATRANS – União Nacional dos Transportes Rodoviários e Autônomos
Ativistas Independentes SP
BrasileirOS.brOS
Conclave pela Democracia
Direita ABC
Direita Cravinhos
Direita Guaíra
Direita Ilha Bela
Direita Litoral
Direita Minas – Alfenas
Direita Minas – Betim
Direita Minas – Bom Repouso
Direita Minas – Cambuí
Direita Minas – Campanha
Direita Minas – Carandaí
Direita Minas – Córrego do Bom Jesus
Direita Minas – Frutal
Direita Minas – Ipatinga
Direita Minas – Itajubá
Direita Minas – João Monlevade
Direita Minas – Lafaiete
Direita Minas – Luminárias
Direita Minas – Nepomuceno
Direita Minas – Ouro Preto
Direita Minas – Passos
Direita Minas – Perdões
Direita Minas – Pouso Alegre
Direita Minas – Rio Pardo
Direita Minas – Santa Luzia
Direita Minas – São Domingos da Prata
Direita Minas – Teófilo Otoni
Direita Minas – Três Pontas
Direita Minas – Uberlândias
Direita Minas – Viçosa
Direita MS (Mato Grosso do Sul)
Direita – Pontal
Direita – RMVale
Direita São Paulo
Direita Ubatuba
Instituto Federalista
Instituto Liberal Acorda Brasil
Marcha Cívica
Movimento Direita Ceará
Movimento juntos Pelo Brasil
NasRuas
São Paulo Conservador
Voz da Liberdade





    • 
    • 
    • 


LG


not respecting the Constitutional Principle of Publicity of administrative acts (article 37 of the Federal Constitution)



    • 

==//==
SOURCE/LINK: https://youtu.be/wjktryXOA_s


Piano Sonata No. 2 "Funeral March", III. Marche funèbre - Frédéric Chopin - Classical Music Piano


66.998 visualizações

547 9
Download
Compartilhar 





Músicas Instrumentais 
Publicado em 13 de jul de 2014


Piano Sonata No. 2 in B-flat minor, Op. 35 "The Funeral March", III. Marche funèbre: Lento by Frédéric Chopin. Thank you so much for watching this video. I hope you enjoy it and don't forget to share it! 

Categoria 
Música 
Licença 
Licença padrão do YouTube
==//==
SOURCE/LINK: http://www.vianoticias.blog.br/mpf-denuncia-sergia-miranda-fraude-na-simcol-deve-investigar-caio-asfor/
MPF(Brazilian Federal Prosecutions Office)  denounces Sérgia Miranda for fraud at Simcol and should investigate Caio Asfor
November 27, 2017 Walter Bardawil













Offices "Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria" and "Rocha, Marinho e Sales" would be linked by means of operating behind a particular type naive person offering to represent another in an illegal activity "straw" man (in portuguese “laranjas”)

The Federal Public Prosecutor's Office (MPF), through the Deputy Attorney General, Luciano Mariz Maia, offered the Superior Court of Justice (STJ) a crime against the Sérgia Maria Mendonça Miranda district attorney for fraud involving the failed bankruptcy of Simcol (building company undergoing bankruptcy).

She dispatched an injunction and wrongly ordered (in one of her shifts) the payment of a check in the amount of one million, one hundred and nineteen thousand, nine hundred and thirty-two reais and one centavo to the office "Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria", which, at the time, in May 2013, had provided legal services to the company.
In addition to Sérgia, Frankraley Oliveira Gomes - boyfriend of the judge at the time -, Paulo Fernando Mendonça and Claudia Adrienne Sampaio de Oliveira are enrolled.

Check out excerpt from MPF complaint.
Orange Partnership
SIMCOL would also have been harmed, in a criminal manner, through another injunction of the same adjudicator. The company was forced to pay very high amounts (over R $ 1 million) to the law firm "Rocha, Marinho e Sales", owned by attorney Caio Asfor.

The payment was made by means of an "orange" connected to the "Sampaio, Tavares Advocacia e Consultoria" office.

The denunciation was sent to the Minister of STJ, Herman Benjamin, by the businessman Gilberto Martins Borges, majority partner and representative of the bankrupt company.

Part of the document of Gilberto Borges below.







    • 


==//==

SOURCE/LINK: https://br.noticias.yahoo.com/com-bolsonaro-roda-viva-tem-002200963.html




    • Início
    • Mail
    • Buscar
    • Notícias
    • Esportes
    • Finanças
    • Vida e Estilo
    • Celebridades
    • Cinema
    • Respostas
    • Mobile
    • Mais
Yahoo
Buscar








    • Entrar
    • 



Página inicial de Noticias
Siga-nos
    • Eleições 2018
    • Vi na Internet
    • Brasil
    • Mundo
    • Economia
    • Tecnologia
    • Ciência
    • Vídeos
    • Tempo

Com Bolsonaro, Roda Viva tem segunda melhor audiência do ano



GUSTAVO FIORATTI
Folhapress31 de julho de 2018





SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com a entrevista do candidato à presidência Jair Bolsonaro (PSL) nesta segunda (30), o Roda Viva, da TV Cultura, alcançou sua segunda maior audiência do ano.
O programa só não ultrapassou os números referente à noite que teve o juiz Sérgio Moro como convidado, em março. Naquela ocasião, o Roda Viva conquistou o maior público em 18 anos, desde quando começou-se a computar sua audiência.
A entrevista com Bolsonaro foi a décima em uma série dedicada aos presidenciáveis (veja ao lado as audiências correspondente a cada um deles, segundo o Ibope).
No centro da bancada, Bolsonaro respondeu a questões sobre política, posições ideológicas e foi provocado sobre declarações suas, apontadas como racistas e xenofóbicas.
Ele voltou a atacar o kit anti-homofobia proposto no Ministério da Educação em 2011 e se defendeu quando os entrevistadores apontaram baixo aproveitamento de suas propostas como parlamentar.
Entre outros projetos, citou a elaboração de uma lei que previa castração química para condenados por estupro.
O programa semanal da TV Cultura fez 2,3 pontos de média com picos de 2,8 pontos, ocupando o quarto lugar no ranking das emissoras da TV aberta, segundo dados consolidados na Grande São Paulo.
No mesmo horário, a Globo fez 25,8 pontos. O SBT ficou em segundo lugar, com 9,3. Em terceiro, a Record atingiu 5,3 pontos de média.
Durante a apresentação, o âncora Ricardo Lessa anunciou: "Estamos, graças também aos seguidores do deputado, em primeiro lugar mundial no Twitter". Ele se referia aos trending topics da rede.
Segundo pesquisa da FGV Dapp, a entrevista de Bolsonaro mobilizou 717.308 publicações no Twitter entre 20h de segunda (30) e 8h de terça (31), e o debate se dividiu em quem era a favor do candidato (25,96%) e contra (54,28% ).
A audiência nas redes têm sido muitas vezes mais expressivas do que a medida durante a exibição do programa na TV.
As visualizações da entrevista com Bolsonaro no Youtube, até as 20h da terça (31), ultrapassavam 1,6 milhão.
A entrevista com Ciro Gomes, no fim de maio, está entre as audiências mais altas da série, com 1,1 ponto de audiência e 1,3 milhão de visualizações no Youtube, também em medição até esta terça.
Na semana passada, Geraldo Alckmin rendeu ao semanal 0,4 no Ibope, mais 147 mil visualizações no Youtube.
Guilherme Boulos, Alvaro Dias, Marina Silva e Manuela D'Ávila tiveram participações que geraram mais público do que o candidato pelo PSDB.













Entre para publicar uma mensagem.




























Leia também
            ▪ Álvaro Dias afirma que gostaria de Miguel Reale Junior como vice
      Folhapress
            ▪ Uber | Por Trás do Nome - Fernanda
      UberPatrocinado
            ▪ Pobre não sabe fazer nada, disse Bolsonaro nos anos 1990
      Yahoo Notícias
            ▪ Antigo âncora do Roda Viva afirma que se afastou após pressões políticas
      Folhapress
            ▪ Como o “centrão” pode atrapalhar Alckmin
      Yahoo Notícias
            ▪ Método para economizar impressiona empresas
      Expert MarketPatrocinado
            ▪ Bolsonaro questiona escravidão e ditadura
      AFP
            ▪ Cleo Pires posa de lingerie e é elogiada por seguidores: 'Deusa'
      Yahoo Vida e Estilo
            ▪ A participação de Bolsonaro no Roda Viva em 9 pontos
      HuffPost Brasil
            ▪ Viaje para Lisboa com tudo pago.
      Promoção Use EloPatrocinado
            ▪ ‘Mea-culpa’?
      AFP
            ▪ A NASA lançou uma coleção de roupas e a gente já quer
            ▪ Neymar sem moral: Depois de virar meme mundial, craque perde espaço até no PSG
      HuffPost Brasil
            ▪ Graduação EAD Senac.
      SENACPatrocinado
            ▪ As imagens de destruição causadas por incêndio florestal na Grécia
            ▪ PGR pede ao Supremo rejeição de recurso de Lula e "reprova" conduta do petista
      Reuters
==//==

SOURCE/LINK: https://www.oantagonista.com/brasil/augusto-nunes-denuncia-pressao-politica-no-roda-viva/



MENU 
O Antagonista
buscar 
ENTRAR 




Augusto Nunes denuncia pressão política no Roda Viva
salvar Brasil 31.07.18 11:02    

O jornalista Augusto Nunes, que ancorou o Roda Viva até março, decidiu não renovar seu contrato com a TV Cultura em razão da pressão política feita pelos conselheiros da emissora mantida pelo governo de São Paulo.
Nunes contou, em entrevista ao canal do também jornalista Marcelo Bonfá no Youtube, que o conselho curador forçava nomes tanto para serem os entrevistados quanto para realizarem as entrevistas.
“Havia uma pressão para que a gente começasse a convidar políticos amigos dos conselheiros. Eu deixava a escolha dos entrevistadores para a produção. Só queria jornalistas independentes, que formulassem perguntas objetivas. Mas eles [conselheiros] começaram a sugerir nomes, a fazer pressão. O conselho da Cultura tem um bando de gente que passa o dia por lá. Porque eles são aposentados, têm tempo de sobra, ficam ali só fazendo fofoca.”



Nunes disse que procurou o presidente da Cultura, Marcos Mendonça.
“Eu disse a ele o seguinte: ‘Quero saber como vai ser esse ano.’ Questionei se o jornalismo ia voltar a ter controle sobre o Roda Viva ou se essa pressão ia continuar. [Mendonça disse:] ‘Olha, esse ano é eleitoral, eu devo dizer que vai piorar.”
Uma das pressões, segundo Nunes, foi para que ministros fossem entrevistados.
“Falavam: ‘Tem que chamar o ministro da Educação [José Mendonça Filho], o das Comunicações [Gilberto Kassab], o da Saúde [Ricardo Barros]’. [Eu argumentava:] ‘Mas nós já chamamos, eles vieram aqui quando assumiram’. ‘É, mas são compromissos…’. Eles vêm aqui para se elogiarem, todos querem dizer que fizeram um grande trabalho, e depois vão se candidatar.”
Para Nunes, o conselho usa o Roda Viva como palanque político para seus camaradas.
“Alguns conselheiros diziam que só ia gente que não era de esquerda. Mas foram vários de esquerda, todos bem tratados. Outros só não foram porque recusaram. O Lula e a Dilma [Rousseff], por exemplo, eu convidava todo mês. Convidei durante anos, eles nunca quiseram ir.”
Pressionado, Nunes decidiu pular fora do programa.
“Falei: ‘Eu não quero mais, não. Topo fazer as entrevistas com os ministros, mas minha última data eu quero para mim’.”
Ele então convidou o juiz Sergio Moro para a sabatina que marcou sua despedida e o Roda Viva bateu seu recorde de audiência.
“Eu gosto de ficar em qualquer cargo pelo tempo de um mandato político, porque você vai se desgastando naturalmente por episódios assim. Eu me livrei dessas pressões que nunca tolerei, e que já posso dispensar a essa altura da vida. Porque ninguém é de ferro.”
Nunes lembrou o recado que mandou no ar em sua despedida (e que O Antagonista registrou).
“Mandei meu recado: ‘Espero que o programa continue seguindo a rota do jornalismo independente’. Porque é uma rota perigosa, mas é a única que leva a um bom porto. Eu fiz a advertência. Se o Roda Viva seguir, ele sobrevive; senão, ele morre.”
Com Ricardo Lessa em lugar de Nunes, o Roda Viva seguiu a rota da Wikipedia.



Temas relacionados:
    • Augusto Nunes Roda Viva TV Cultura 
AnteriorPróximo 
Leia também:
        ◦ Pesquisa sinaliza Marina como ‘voto dos indecisos’
      01.08.18 12:46 
        ◦ BOLSONARO LIDERA RANKING DE VOTO INTRANSFERÍVEL
      01.08.18 12:39 
        ◦ PRP fecha com Alvaro Dias
      01.08.18 12:37 
O Antagonista em seu e-mail
 
Receba gratuitamente nossa newsletter com conteúdos exclusivos*
Política de privacidade 


TV Antagonista
    •  
              Ministro da Cultura cita Flip como exemplo de impacto econômico positivo
    •  
              As 4 razões do ministro da Cultura
    •  
              VÍDEO: Confusão na frente do STF

Deixe seu comentário
Os comentários não representam a opinião do site; a responsabilidade é do autor da mensagem;
Tempo de publicação: 4 minutos
Publique comentários sem precisar digitar nome, e-mail e reCaptcha. Faça seu login!

300





    1. hjr disse: 
       1 de agosto de 2018 às 11:34 
       ISSO VIROU IMPRENSA ALTERNATIVA, OS CONSELHEIROS GANHAM ALGUM SALÁRIO????
       Entre na conversa
Ler mais 250 comentários



© 2018 - O ANTAGONISTA Todos os direitos reservados 
Brasil Cultura Economia Mundo Sociedade Vídeos Reunião de Pauta Podcasts 
Newsletter Contato Política de Privacidade Termos de Uso 


==//==
#PARABENIZAÇÃO E UM PEDIDO DE ATENÇÃO PARA QUESTÃO DA TRANSPARÊNCIA ELEITORAL NO BRASIL AOS IDEALIZADORES E PROMOTORES DA CAMPANHA #UnidosContraaCorrupcao   


Vimos através deste Parabenizar e Fazer um Pedido de Atenção, e quem sabe até estudo para inclusão e com  de importante questão levada por Grupos Suprapartidários, Instituições e outras sobre “Questão da Transparência Eleitoral no Brasil” aos  idealizadores e promotores (Fundação Getúlio Vargas - FGV, a Tranparência Internacional Capítulo Brasil e Transparency Intenational na pessoa da Sra  Delia Ferreira Rrubio  bem como tantas outras intintiuições pela importante e decisiva iniciativa em nome do grupo Amethyst, de Grupos Suprapartidários que anseiam por tudo isto e sobretudo pelo povo brasileiro


SOBRE PEDIDO PRELIMINAR DE  ESTUDO  DA POSSIBILIDADE DE INCLUSÃO SOBRE A QUESTÃO DA TRANSPARÊNCIA ELEITORAL NO BRASIL 

BACKGROUND

Ao fazermos verificação de textos disponibilizados e vídeos, a questão eleitoral parece ser algo central  segundo palavras nos próprios textos  da referida  campanha conforme trecho extraido abaixo:

“Neste ano, a principal arma dos brasileiros contra a corrupção é o voto. Vamos eleger um Congresso plural, que represente nossa diversidade e que seja formado por candidatos com: 
(1) passado limpo; 
(2) compromisso com a democracia; e 
(3) endosso às Novas Medidas contra a Corrupção” 


Contudo , verificado no documento principal (vide LINK: https://www.cnm.org.br/cms/images/stories/Links/06062018_Medidas_Anti_Corrupcao.pdf ), não foi feito menção clara e merecida e importante “Questão Transparência Eleitoral no Brasil” – foco Grupos como um de Trabalho do Whatsapp denominado “Conclave pela Democracia”.
Somente para recordar Thomas Korontai, Coordenador do Grupo Convergências, fez cordial, oportuna visita com subsequente envio  de “CARTA ABERTA À TRANSPARÊNCIA INTERNACIONAL – PRAZO ENCERRANDO, relatando a questão cujo link da notícia no Converências é o seguinte:
<http://convergencias.org.br/carta-aberta-a-transparencia-internacional-prazo-encerrando/>e da carta propriamente dita
<http://convergencias.org.br/carta-aberta-a-transparencia-internacional/>  para sua Presidente que conheceu no início do ano  Presidente Advogada Argentina de Córdoba,  Delia Ferreira Rubio, e declarou enquanto Presidente TI na Argentina, e atual Presidente da Transparência Internacional em Berlim, Alemanha e em uma entrevista durante sua Gestão da Transparência Internacional da Argentina mediante  entrevista, na qual demonstra bons conhecimentos  sobre Voto Eletrônico, durante entrevista para uma Rádio sobre o seguinte título “Entrevista a Delia Ferreira Rubio sobre el voto electrónico (AM 1110, 26/11/2016)” e que fizemos uma publicação em Nosso Blog do  Grupo  Amethyst, veja abaixo:

BRADO EM UNÍSSONO/THE CRY IN UNISON: Entrevista a Delia Ferreira Rubio sobre el voto el... http://bradoemunissono.blogspot.com/2018/07/entrevista-delia-ferreira-rubio-sobre.html?spref=t

Pensamos que a referida campanha é de nítido inquestionável interesse nacional e internacional, mas que aliada aos defensores da Transparência Eleitoral no Brasil, poderão favorescer potencializar esforços no sentido de uma mudança do cenário brasileiro favorescendo para melhoria das codições sócio-economicas com eleição de gestores e parlamentares que possam realmente representar melhor o tão sofrido povo brasileiro e promover as reais mudanças necessárias para o progresso do pais e melhoria de seu povo.
E, neste sentido os movimentos de rua são fundamentais e necessários para sensibilização e implementação de ações como esta que está acontecerá em 05 de agosto de 2018 e que gostaríamos de UNIDOS CONTRA CORRUPÇÃO  E A FAVOR DE EFETIVA TRANSPARÊNCIA ELEITORAL NAS ELEIÇÕES DE 2018.


Gilberto Martins Borges Filho
Coordenador do Grupo Amethyst e em nome de Grupos Suprapartidários que almejam reais melhorias de nosso pais e sobretudo do Povo Brasileiro.

==//==

SOURCE/LINK: https://portal.fgv.br/noticias/transparencia-internacional-e-escolas-direito-fgv-lancam-pacote-medidas-contra-corrupcao



Pular para o conteúdo principal 





Portal FGV
X
    • Áreas de Interesse
        ◦ Administração
        ◦ Ciências Sociais
        ◦ Direito
        ◦ Economia
        ◦ Matemática aplicada
    • Unidades
    • Centros e diretorias


    • Eng
    • 中文





Direito
07 Junho 2018
Transparência Internacional e Escolas de Direito da FGV lançam pacote de medidas contra corrupção
A partir da compilação de melhores práticas nacionais e internacionais e da colaboração de vários setores da sociedade brasileira, construiu-se uma plataforma de propostas de reforma legislativa, administrativa e institucional, com o objetivo de promover um debate público orientado às causas sistêmicas da corrupção e de oferecer soluções permanentes para o seu enfrentamento no longo prazo.
Compartilhe
A Transparência Internacional e as Escolas de Direito do Rio de Janeiro (FGV Direito Rio) e de São Paulo (FGV Direito SP) lançaram, no dia 5 de junho, um pacote com 70 medidas para combater a corrupção no Brasil. Considerado o maior pacote anticorrupção já elaborado no mundo, a iniciativa é fruto da colaboração de especialistas de diversas instituições, que redigiram e revisaram as propostas que serão apresentadas ao Congresso Nacional.
“Vivemos um momento de desorganização do sistema político, com partidos em dificuldade de se articular com a sociedade para construir a agenda anticorrupção. Então, vimos com naturalidade o avanço dessa agenda propositiva no âmbito das universidades e assim nasceu a parceria com a Transparência Internacional para elaborar as novas medidas contra a corrupção”, destaca o coordenador do Centro de Justiça e Sociedade (CJUS) da FGV Direito Rio, professor Michael Freitas Mohallem, que fez a abertura do evento ao lado do diretor da Transparência Internacional no Brasil, Bruno Brandão.
Chamado de “Novas Medidas Contra a Corrupção”, o megapacote visa restabelecer o debate público precocemente encerrado no Congresso na época da votação das chamadas “Dez medidas contra a corrupção”, elaborada pelo Ministério Público. Na época, criticou-se a falta de espaço para participação de outras organizações sociais, acadêmicas e de especialistas para discutir um dos assuntos mais relevantes para o país nos últimos anos.
As propostas buscam revisar alguns pontos já discutidos, assim como agregar novas perspectivas e conteúdo para uma agenda renovada de reformas anticorrupção. A partir da compilação de melhores práticas nacionais e internacionais e da colaboração de vários setores da sociedade brasileira, construiu-se uma plataforma de propostas de reforma legislativa, administrativa e institucional, com o objetivo de promover um debate público orientado às causas sistêmicas da corrupção e de oferecer soluções permanentes para o seu enfrentamento no longo prazo. A iniciativa inclui anteprojetos de lei, propostas de emenda à Constituição, projetos de resolução e outras normas voltadas ao controle da corrupção.
Para elaborar as 70 novas medidas contra a corrupção, foram consultadas, ao longo de um ano e meio de trabalho, 373 instituições em um processo que envolveu mais de 200 especialistas, redatores e revisores. Além desses, 912 pessoas participaram da consulta pública, propondo emendas aos projetos desenvolvidos. O resultado dessa iniciativa está disponível gratuitamente no site da Biblioteca Digital FGV.
Notícias relacionadas
Mais notícias 
    • 
      Direito
      Aula aberta fala sobre startups, venture capital e private equity
    • 
      Institucional
      Nova plataforma digital fornece informação eleitoral rápida
    • 
      Direito
      China em destaque: professor da FGV é selecionado para programa acadêmico do gigante asiático
Últimas Notícias
    • Institucional
      Instituto de Desenvolvimento Tecnológico é credenciado pelo MEC com nota máxima
    • Economia
      Indústria e Comércio sofreram mais impacto com a greve dos caminhoneiros
Programas
mais educação 
    • 
Eventos
Mais eventos 
    • 
      22 Julho 2018
      Administração DF
      2º Fórum de Educação Executiva DF
Vídeos
Mais vídeos 
    • 
      Bate-papo
      A economia brasileira e os acordos internacionais de...
Receba as notícias da FGV



    • 
    • Educação
        ◦ Graduação
        ◦ Vestibular FGV
        ◦ Graduação Tecnológica
        ◦ Preparatório ENEM Digital
        ◦ Pós-Graduação & MBA
        ◦ Alumni Executivo
        ◦ Mestrado & Doutorado
        ◦ Certificação de Qualidade
        ◦ Cursos de Extensão
        ◦ In Company
        ◦ Cursos Online
    • Pesquisa
        ◦ Pesquisas, teses & publicações
        ◦ Periódicos
    • Acontece na FGV
        ◦ Vídeos
        ◦ Notícias
        ◦ Eventos
        ◦ Redes sociais
    • Assessoria Técnica
        ◦ Concursos e Projetos
    • Livros
        ◦ Livraria
        ◦ Editora FGV
        ◦ Biblioteca
    • Índices
        ◦ Índices econômicos
    • Por dentro da FGV
        ◦ Institucional
        ◦ Contato
        ◦ Trabalhe Conosco
        ◦ Sala de Imprensa
        ◦ Parceria Acadêmica
        ◦ 70 Anos
    • APP FGV
        ◦ Download
    • Sites FGV
        ◦ Visite nossos sites
    • 
    • 
    • 
    • 
    • 
    • 
    • 
    • 
    • 

© FGV 2018 Webmail Política de PrivacidadeÉtica e ConformidadeOuvidoria AcadêmicaDeclaração de Quitação


As manifestações expressas por integrantes dos quadros da Fundação Getulio Vargas, nas quais constem a sua identificação como tais, em artigos e entrevistas publicados nos meios de comunicação em geral, representam exclusivamente as opiniões dos seus autores e não, necessariamente, a posição institucional da FGV. Portaria FGV Nº19
==//==

SOURCE/LINK: http://convergencias.org.br/tse-denunciado-na-oea-com-carta-do-convergencias/



    • Home 
    • O que é o Convergências 
    • Signatários 
    • Como funciona 
    • Fale conosco 
PETIÇÃO PUBLICA DE APOIO CARTA ENVIADA PELO CONVERGÊNCIAS DENUNCIANDO TSE  NA OEA 
5 de junho de 2018 Convergências Convergência 3 
 
QUI17 - QUITO (ECUADOR) - 06/06/04 - Vista general de la inauguración de la XXXIV Asamblea General de la Organización de Estados Americanos (OEA) realizada la noche de hoy, domingo 6 de junio, en el Teatro Nacional de la Casa de la Cultura en Quito. EFE/Guillermo Legaria 
DOCUMENTO, ASSINADO POR 96 MOVIMENTOS E ENTIDADES CIVIS, FOI ENTREGUE DIRETAMENTE ÀS MÃOS DO SECRETÁRIO GERAL LUIZ ALMAGRO LEMES, NA 48º ASSEMBLEIA GERAL REALIZADA NESTA DATA EM WASHINGTON DC DENUNCIANDO A FALTA DE TRANSPARÊNCIA NO PROCESSO ELEITORAL BRASILEIRO
A carta, após as apresentações de praxe, destaca o escopo:
Denunciamos, neste momento, a ausência total de transparência no atual sistema eleitoral brasileiro, sobretudo no que tange à apuração dos votos, pelo fato de as urnas eletrônicas não emitirem nenhuma contraprova física impressa para conferência previa do eleitor antes de confirmar seu desejo, bem como de eventual recontagem, e não ser respeitado o Princípio Constitucional da Publicidade dos atos administrativos (art. 37 da Constituição Federal), tornando todo o processo eleitoral ILEGÍTIMO, ferindo de morte a Democracia, processo parecido com o que ocorreu aos nosso infelicitados irmãos venezuelanos.
A carta conta uma breve história do caso brasileiro, fazendo conexões, e demonstrando que as autoridades insistem em descumprir a Lei e até a Constituição, utilizando máquinas que contam votos em segredo. O documento foi entregue pelo Prof. Hermes Rodrigues Nery, Presidente do Movimento Legislação e Vida, que participou da 48º Assembleia Geral da OEA (Organização dos Estados Americanos) a convite da entidade.
Prof. Hermes Nery entrega a Carta diretamente ao Secretário Geral 
Na carta os movimentos pedem à OEA para que a entidade intervenha com questionamentos junto às autoridades brasileiras, bem como, se manifeste em razão dos tratados internacionais de direitos humanos e políticos colocados em risco no Brasil.
Eis a Carta por completo, com a lista dos Movimentos signatários:
Brasil, Junho de 2018
À 
ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS
ATT.: SR. LUIS ALMAGRO LEMES
MD SECRETÁRIO GERAL
ASSUNTO: AUSÊNCIA DE TRANSPARÊNCIA NO PROCESSO ELEITORAL DO BRASIL
Prezado Senhor:
Coordenamos uma coalizão de movimentos, grupos e ativistas em prol do interesse do povo brasileiro. Tais movimentos tem milhões de seguidores em especial pelas redes sociais e buscam maior integração e eficácia em suas ações na defesa inteligente e pacífica do Estado de Direito e da Democracia, legalidade dos atos públicos, apartidariamente, e igualmente, contribuir com as autoridades constituídas por meio de críticas, sugestões e cobranças, incluindo ações no campo político e judicial. Esta coalizão, cuja denominação é CONVERGÊNCIAS, não têm sede, porquanto seus componentes decidem as ações por intermédio das redes sociais. E tudo é publicado em um site: www.convergencias.org.br
Denunciamos, neste momento, a ausência total de transparência no atual sistema eleitoral brasileiro, sobretudo no que tange à apuração dos votos, pelo fato de as urnas eletrônicas não emitirem nenhuma contraprova física impressa para conferência previa do eleitor antes de confirmar seu desejo, bem como de eventual recontagem, e não ser respeitado o Princípio Constitucional da Publicidade dos atos administrativos (art. 37 da Constituição Federal), tornando todo o processo eleitoral ILEGÍTIMO, ferindo de morte a Democracia, processo parecido com o que ocorreu aos nosso infelicitados irmãos venezuelanos.
DESCRIÇÃO MAIS DETALHADA DA SITUAÇÃO:
O atual processo, totalmente automatizado por meio de urnas eletrônicas, embora a divulgação dos supostos benefícios, como a “rapidez na apuração e a eliminação de filas imensas”, apresenta inúmeros pontos sensíveis e comprovadas fragilidades que as tornam impróprias para a sua função precípua. Inclusive, recentemente, o próprio tribunal encarregado de organizar e fiscalizar as eleições realizou teste público do processo, dos softwares e dos equipamentos eletrônicos, tendo sido confirmados vários problemas que anteriormente haviam sido apontados por destacados especialistas. A resposta do referido tribunal foi de que os problemas constatados seriam corrigidos a tempo para a eleição.
Implantado em 1996, o sistema, que não produz nenhuma contraprova física do voto efetuado, revelou-se absolutamente inconfiável. Desnecessário dizer que tal sistema coloca em risco a própria democracia, afrontando todos os processos de transparência e compliance exigidos no trato da “coisa pública”, especialmente na escolha de representantes do Poder Legislativo e do Poder Executivo, que conduzirão o país, os quais, via de regra, devem satisfações ao povo.
Apesar disso, o Tribunal Superior Eleitoral – TSE – mesmo diante das comprovações já citadas, insiste irracionalmente na tese da inviolabilidade das urnas eletrônicas. Afirmações deste tipo são sabidamente disparatadas, porquanto até sistemas muito mais complexos e protegidos são invadidos diariamente por hackers, a partir de qualquer lugar do planeta.
Adicionalmente, outros problemas apresentam-se, como o descumprimento da lei pelo próprio órgão que deveria fiscalizá-la, processos viciados de seleção de empresas prestadoras de serviços e custos exorbitantes de equipamentos e serviços.
Em 29/09/2015, foi publicada a Lei 13.165 que obriga à instalação de impressoras nas urnas eletrônicas para a emissão da prova física do voto. Passados dois anos, o referido tribunal não adotou nenhuma providência para o cumprimento desta lei. Não foi efetuada qualquer providência orçamentária e muito menos se adotou qualquer providência relativa à identificação e homologação de equipamentos de impressão e respectivas licitações e testes de campo, somente iniciando tais tratativas a partir de novembro de 2017, em face das crescentes pressões que o Convergências e outros grupos exercem sobre o TSE. Inclusive, somente foi possível adotar alguma providência emergencial por força da pressão que se exerceu sobre a comissão do Congresso Nacional encarregada de autorizar adições ao Orçamento da União, com a destinação de aproximadamente R$ 250 milhões para esta finalidade.
O TSE afirmava que não havia fundos suficientes para a aquisição de 600 mil urnas com impressora ao custo de R$ 2,5 bilhões (cerca de US$ 800 milhões), porém diante da pressão da sociedade, que reuniu as informações corretas e provou que não seria necessário fabricar novas urnas, mas tão somente acoplar impressoras às existentes, o TSE obrigou-se a adotar a alternativa apontada. Entretanto, evitando implantá-las em sua totalidade, o então Presidente do TSE, Ministro Gilmar Mendes, anunciou a aquisição de somente 30 mil impressoras, o que corresponde a cerca de 5% do total de urnas, segundo ele, porque não haveria tempo hábil para a aquisição de todas as 600 mil impressoras.
Neste ponto desejamos destacar que a utilização de impressoras em somente 5% das urnas é um flagrante desrespeito ao direito constitucional brasileiro de igualdade dos cidadãos perante a lei, pois 95% dos eleitores não poderão ter a contraprova física do voto efetuado. Isto significa que dado o voto não há nenhuma certeza a quem ele foi destinado a não ser aquela que aparece na tela da urna eletrônica. Não há qualquer forma de conferir a votação. Viola frontalmente e de forma principal o Princípio da Transparência, obrigatoriedade instituída no artigo 37 de nossa Constituição Federal, que exige a publicidade, impessoalidade e legalidade dos atos administrativos praticados pelo Estado. A contagem dos votos é um ato administrativo e, portanto, deve ser público. O escrutínio atualmente, desde 1996, é secreto, pois é realizado eletronicamente no interior de cada urna, em cada seção eleitoral, emitindo-se um “boletim de urna” já com todos os votos contabilizados. Há ainda possibilidade fraudes na transmissão dos dados aos tribunais regionais (em cada estado) e ao Tribunal Superior Eleitoral na Capital Federal bem como, na totalização de cada um desses receptores, conforme a natureza da eleição, se de âmbito estadual ou nacional. Sem a contraprova física, é impossível se promover recontagens.
A solução é, claramente, a adoção do voto em cédula, com contagem pública dos votos após o encerramento do pleito em cada seção eleitoral. Cada uma, tendo uma média baixa de eleitores – cerca de 200 a 400 eleitores – torna muito fácil e rápida a contagem pública e emissão do respectivo boletim, distribuindo-se cópias para todos os presentes em cada seção, sejam fiscais de partido e candidatos, sejam eleitores comuns. Com a publicidade de tais boletins, cria-se um espelhamento de resultados, ampliando a transparência e mitigando a possibilidade de fraude. E ainda restarão os próprios votos armazenados na urna de lona, lacrada, para eventual recontagem. Tal como é feito no Japão, Alemanha e EUA, só para citar alguns. Os agentes públicos – que exigem que “tenhamos fé pública neles” – embora o Estado seja laico e não se pode misturar uma exigibilidade legal com profissão de fé – acusam o sistema do voto em cédula de anacrônico, porém, na verdade, é muitíssimo mais confiável do que as atuais urnas eletrônicas.
Não somente para o Convergências, mas para quase toda a sociedade brasileira, tornou-se evidente que o referido Ministro, Presidente do TSE até o fim do mês de janeiro/18, evitou a todo custo cumprir a lei. O atual presidente, Ministro Luiz Fux pretende seguir em idêntica direção. Ora, esta situação configura-se como prevaricação por altos servidores do Estado Brasileiro, isto é, o descumprimento de função pela qual são responsáveis. O fato em si já seria preocupante caso se aplicasse a servidores comuns, mas quando tais comportamentos partem de servidores de tão alta corte, PROTEGIDOS POR ELES MESMOS, QUE FAZEM PARTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, indicam sinais graves de disfunções no sistema político. Caso persista tal situação absurda, a tendência é a degeneração do sistema, podendo gerar crise aguda e profunda no país, nos levando à situação catastrófica da Venezuela.
Foram detectados problemas graves também no gerenciamento dos custos dos equipamentos. O custo unitário de cada impressora, apresentado pelo TSE, situa-se em R$ 2.000,00 (US$ 533,00). Todavia, levantamentos realizados por especialistas componentes do Convergências, além de outros não ligados a ela, descobriram que este valor supera em dez vezes o preço de mercado de equipamentos equivalentes. Se considerarmos que normalmente a aquisição em grandes lotes tende a reduzir o preço unitário, é certo que o custo de cada uma delas poderá ficar entre R$ 200,00 (U$ 53,00) e R$ 400,00 (US$ 106,00), uma drástica redução de custos. Embora se tenha conseguido aprovar no Orçamento Geral da União, via Congresso Nacional, uma verba destacada de R$ 250 milhões (Cerca de US$ 66 milhões) que serviria para fabricar todas as cerca de 600 mil impressoras, o recurso não foi solicitado pelo TSE.
Diante desta conjuntura, o Convergências adotou diversos procedimentos para exigir das referidas instituições e autoridades responsáveis o cumprimento correto e cabal da lei para que todo o processo eleitoral seja plenamente transparente nas eleições que ocorrerão no ano corrente.
Visando reagir a estes desmandos e ilegalidades, o Convergências efetivou diversas medidas, entre elas o ingresso com ações na Justiça Federal. Uma delas é uma Ação Popular que exige que o voto possa ser exercido por meio de cédulas de papel nas seções nas quais as urnas eletrônicas não disponibilizem equipamento de impressão de voto, para fins de conferência prévia do eleitor, antes da confirmação final do processo de votação, permitindo, dessa maneira, se necessário, ação de auditoria.
Ainda que a impressão do voto permita a conferencia posterior, devido a contraprova física, incorrer-se-á na quebra de direitos constitucionais caso o TSE mantenha-se na disposição ilegal de disponibilizar impressoras de votos somente para uma parcela mínima de urnas eletrônicas. Por esta razão ingressou-se com a referida Ação Popular exigindo a disponibilização de cédulas de papel e urnas de lonas para os restantes 95% das seções eleitorais. Outras ações como a da Associação Pátria Brasil e Instituto Resgata Brasil exigem o direito de escrutínio público, com base no princípio constitucional da publicidade dos atos públicos.
Cercadas, as autoridades ensaiam suspender os efeitos da Lei que introduziu a obrigatoriedade da impressão do voto, promulgada ainda em 2015, conforme citado acima, por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal, mesmo após Carta do Convergências protocolada e entregue à Sra. Procuradora Chefe, Dra. Raquel Dodge, na qual solicitamos providências contra os desmandos do Ministro Gilmar Mendes, então presidente do TSE e informamos sobre as ações da Sociedade na Justiça Federal. Em uma estranha coincidência, o ministro do STF sorteado foi nada mais, nada menos que o próprio Ministro Gilmar Mendes, simultaneamente membro do TSE e do STF (de fato, a estruturação o Judiciário Brasileiro é muito tendenciosa). Além da inusitada ação, que vai contra os interesses da população, contra a necessária transparência devidamente inscrita na Constituição Federal (art. 37), depõe também contra o Princípio da Anualidade (art. 16 da Constituição) que proíbe alteração ou imposição legislativa sobre processo eleitoral em prazo inferior a 12 meses antes das eleições seguintes. Para agravar mais ainda o quadro de imoralidade e ilegalidade também neste processo, o relator da medida proposta pela Procuradora Geral da República é o próprio ministro Gilmar Mendes, quem presidiu até fevereiro/18 o TSE, estando, por lei, impedido de julgar matéria na qual seja ou tenha sido parte, o que está sendo desconsiderado pelos demais ministros do Supremo Tribunal Federal. Ou seja, as autoridades do Judiciário estão desrespeitando frontalmente e sem nenhum pudor, a própria legislação e Constituição que juraram defender, além da obrigação de ofício de assim proceder.
Os fatos que desabonam toda e qualquer licitude republicana se multiplicam perpetrados por agentes públicos cada vez mais desprovidos de pudores. O Ministro Gilmar Mendes, que presidia o TSE, deslocou seu ex-assessor direto para ser nomeado como Diretor de Assuntos Técnicos e Jurídicos do Senado Federal, onde tem, contra ele, processos de pedido de impeachment por diversos motivos. Os processos de impeachment que são responsabilidade constitucional do Senado da República prescindem de um parecer técnico-jurídico exatamente desta Diretoria, para a qual, seu ex-assessor foi nomeado. A Nação encontra-se escandalizada.
Embora já exista legislação que obrigue a disponibilização de cédulas de papel e urnas de lona em todas as seções eleitorais para o caso de falha em alguma urna eletrônica, o TSE tem insistido em alternativas que implicam enormes custos, como a aquisição de urnas totalmente novas nas quais já venham acopladas as impressoras de votos. Essa insistência, supõe-se, se deve à tentativa de criar uma cortina de fumaça para dissimular a verdadeira intenção, que é manter o sistema atual exatamente como está: passível de fraude. Na última eleição a conferência de votos foi realizada por um grupo do próprio TSE e sem acesso a qualquer outro cidadão; a conferência foi secreta e dirigida pelo próprio Ministro Dias Toffoli, ligado ao Partido dos Trabalhadores (PT), organização que atualmente sofre enorme contestação da sociedade brasileira, em face de muitos de seus membros estarem presos e processados pela Operação Lava Jato. Não houve nenhuma transparência naquela apuração e totalização dos votos ao segundo turno das eleições à Presidência da República, fato ocorrido em 2014.
Espera-se agora, que a Justiça Federal acate as medidas judiciais propostas pela Sociedade. Desta forma, além de igualarem-se todos os eleitores nos seus direitos constitucionais, teremos cem por cento dos votos com a contraprova física para fins de eventuais auditorias.
Informamos ainda, que uma Sugestão Legislativa ao Senado (nº 39/17) que ultrapassou as 20 mil assinaturas em curtíssimo espaço de tempo, apresentada por um dos membros do Conclave pela Democracia (que integra a Convergências), foi rejeitada pela Relatoria e pela Comissão de Direitos Humanos do Senado (https://www12.senado.leg.br/noticias/audios/2018/02/cdh-rejeita-sugestao-do-retorno-ao-voto-em-cedula), sob a justificativa de que o voto impresso está aprovado. Ou seja, o Povo está sendo cerceado do seu direito à transparência do processo de votação no Brasil. Acreditamos que as organizações internacionais que lutam contra a corrupção no mundo, buscando a transparência dos atos públicos, deveriam tomar conhecimento desta grave situação no Brasil, razão pela qual, emitimos esta nota, que vai assinada por Movimentos e Ativistas Civis em Convergências.
Sendo o que se tinha para o momento, esperamos que esta DENÚNCIA seja amplamente divulgada e que a OEA considere a necessidade de exigir das autoridades brasileiras, o cumprimento da lei e da Constituição, as quais, estão alinhadas com os Tratados Internacionais como o do Pacto de San José de Costa Rica, da Carta de Direitos Humanos da ONU e da Carta Democrática Interamericana, aprovada na Assembleia Geral da OEA em 2001, ao que, nos colocamos à inteira disposição para maiores esclarecimentos que se façam necessários.
Com os melhores cumprimentos,
CONVERGÊNCIAS
Movimentos Civis pelo Brasil
Thomas Korontai
Coordenador
Movimentos e Instituições Signatárias (Em ordem alfabética):
Acampamento LAVA JATO
Bloco Movimento Brasil
Chega de Impostos
Curitiba Contra Corrupção
Direita Boa Esperança Do Sul
Direita Franca
Direita Guariba
Direita Jaboticabal
Direita Minas
Direita Minas – Bambuí
Direita Minas – Bom Despacho
Direita Minas –Borda da Mata
Direita Minas – Cambuquira
Direita Minas – Capitão Enéas
Direita Minas – Contagem
Direita Minas – Felisburgo
Direita Minas – Governador Valadares
Direita Minas – Itabira
Direita Minas – Ituiutaba
Direita Minas – Juiz de Fora
Direita Minas – Lavras
Direita Minas – Montes Claros
Direita Minas – Ouro Fino
Direita Minas – Paracatu
Direita Minas – Patos de Minas
Direita Minas – Poços de Caldas
Direita Minas – Ribeirão das Neves
Direita Minas – Samonte
Direita Minas – Santa Rita do Sapucaí
Direita Minas – Sete Lagoas
Direita Minas – Três Corações
Direita Minas – Uberaba
Direita Minas – Varginha
Direita Morro Agudo
Direita – Orlândia
Direita – RM Ribeirão Preto
Direita – São José (SJC/SP)
Direita Sertãozinho
Endireita Pernambuco
Instituto Legislação e Vida
Liga Federalista Nacional
Movimento Avança Brasil
Movimento Federalista
Movimento Rua Brasil
Resistência Popular SM
UNATRANS – União Nacional dos Transportes Rodoviários e Autônomos
Ativistas Independentes SP
BrasileirOS.brOS
Conclave pela Democracia
Direita ABC
Direita Cravinhos
Direita Guaíra
Direita Ilha Bela
Direita Litoral
Direita Minas – Alfenas
Direita Minas – Betim
Direita Minas – Bom Repouso
Direita Minas – Cambuí
Direita Minas – Campanha
Direita Minas – Carandaí
Direita Minas – Córrego do Bom Jesus
Direita Minas – Frutal
Direita Minas – Ipatinga
Direita Minas – Itajubá
Direita Minas – João Monlevade
Direita Minas – Lafaiete
Direita Minas – Luminárias
Direita Minas – Nepomuceno
Direita Minas – Ouro Preto
Direita Minas – Passos
Direita Minas – Perdões
Direita Minas – Pouso Alegre
Direita Minas – Rio Pardo
Direita Minas – Santa Luzia
Direita Minas – São Domingos da Prata
Direita Minas – Teófilo Otoni
Direita Minas – Três Pontas
Direita Minas – Uberlândias
Direita Minas – Viçosa
Direita MS (Mato Grosso do Sul)
Direita – Pontal
Direita – RMVale
Direita São Paulo
Direita Ubatuba
Instituto Federalista
Instituto Liberal Acorda Brasil
Marcha Cívica
Movimento Direita Ceará
Movimento juntos Pelo Brasil
NasRuas
São Paulo Conservador
Voz da Liberdade
 
A carta em inglês:   Letter to OAS – Convergencias
 
 
Compartilhe isso:
    • Facebook
    • Twitter
    • Email
    • WhatsApp
    • 
Previous
MOVIMENTOS EXIGEM QUE AGU E STF INTERVENHAM PARA SUBSTITUIR GILMAR MENDES
Next
EDITORIAL – STF NOVAMENTE AFRONTA A LEI, O SENSO COMUM E A CONSTITUIÇÃO
3 Comentários 
    1.  
Mirimar 
5 de junho de 2018 em 22:18 
Urgente Isso. O povo consciente da direita exige o voto impresso. É lei, é dever do Estado e direito do cidadão.
Responder 
    2.  
Jair das NEVES LOURENÇO BARBEIRO 
6 de junho de 2018 em 11:50 
Concordo integralmente com o documento acima onde os direitos do povo está sendo tolhido por pessoas que não consigo entender o interesse em tornar a votação e apuração transparente ‘ hoje não são..
Responder 
    3.  
Prof. Padilla pesquisador transdisciplinar na UFRGS Faculdade de Direito 
7 de junho de 2018 em 05:15 
Magnífica atitude! Sugiro também uma releitura, pela abordagem transdisciplinar, à luz dos 4 planos de atividade humana e do uso das emoções pelos psicoPaTas na criação de uma entourage psicoPaTeta: http://bit.ly/1mundomelhor
Responder 
Deixe uma resposta 
Seu email não será publicado.
Comentário

Nome*

E-mail*

Website


 Notifique-me sobre novos comentários por e-mail.
 Notifique-me sobre novas publicações por e-mail.
Pesquisar por:  


Convergências na Mídia
    •  
Convergência repercute no jornal O GLOBO 
27 de setembro de 2016 0 
Notícias recentes
    • O OBSERVADOR INDEPENDENTE – “ELEIÇÕES 2018 – CAMINHO SEM VOLTA” 
    • A BEM DA VERDADE: BRASIL É O ÚNICO PAÍS COM URNA ELETRÔNICA SEM CONTRAPROVA FÍSICA 
    • EDITORIAL – STF NOVAMENTE AFRONTA A LEI, O SENSO COMUM E A CONSTITUIÇÃO 
    • TSE DENUNCIADO NA OEA COM CARTA DO CONVERGÊNCIAS 
    • MOVIMENTOS EXIGEM QUE AGU E STF INTERVENHAM PARA SUBSTITUIR GILMAR MENDES 
Comentários
    • Valdemar Cardoso loksinger em MOVIMENTO NACIONAL PELA CONTAGEM PÚBLICA DO VOTO
    • José Adriano Silva em VOCÊ PODE PRESSIONAR O SEU JUIZ ELEITORAL PELA CONTAGEM FÍSICA DOS VOTOS
    • Márcio Antônio Martins em EDITORIAL – STF NOVAMENTE AFRONTA A LEI, O SENSO COMUM E A CONSTITUIÇÃO
    • Marilene d' Ottaviano em CARTA DE GENERAL DO EXÉRCITO PARA A PGR E AO TSE
    • Maria Elizabete Souza Terrana de Carvalho em CARTA DE GENERAL DO EXÉRCITO PARA A PGR E AO TSE
Copyright © 2018 | WordPress Theme by MH Themes
==//==
SOURCE/LINK: http://www.vianoticias.blog.br/mpf-denuncia-sergia-miranda-fraude-na-simcol-deve-investigar-caio-asfor/
MPF denuncia Sérgia Miranda por fraude na Simcol e deve investigar Caio Asfor
Novembro 27, 2017 Walter Bardawil

Escritórios “Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria” e “Rocha, Marinho e Sales” estariam ligados por meio de laranjas
O Ministério Público Federal (MPF), através do vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, ofereceu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) denúncia crime contra a desembargadora cearense Sérgia Maria Mendonça Miranda por fraude envolvendo a massa falida da Simcol.
Ela despachou liminar e ordenou, indevidamente (em um de seus plantões), o pagamento de cheque no valor de R$ 1.119.932,01 (hum milhão, cento e dezenove mil, novecentos e trinta e dois reais e um centavo) ao escritório “Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria”, que, na época, em maio de 2013, havia prestado serviços advocatícios à empresa.
Além de Sérgia, estão enrolados Frankraley Oliveira Gomes – namorado da desembargadora à época -, Paulo Fernando Mendonça e Cláudia Adrienne Sampaio de Oliveira.
Confira trecho da denúncia do MPF

Parceria Laranja
A SIMCOL teria sido também prejudicada, de forma criminosa, através de outra liminar  da mesma desembargadora. A empresa foi forçada a efetuar o pagamento  de valores altíssimos (superiores a R$ 1 milhão) ao escritório de advocacia “Rocha, Marinho e Sales”, pertencente ao advogado Caio Asfor. 
O pagamento se deu por meio de um “laranja” ligado ao escritório “Sampaio, Tavares Advocacia e Consultoria”.  
A denúncia  foi encaminhada ao ministro do STJ, Herman Benjamin, pelo empresário Gilberto Martins Borges, sócio majoritário e representante da empresa falida.
Documento de Gilberto Borges


THE END

Nenhum comentário:

Postar um comentário