Google+ Followers

segunda-feira, 9 de julho de 2018

#ILLEGAL POLITICIZATION IN THE BRAZILIAN JUDICIARY


BRAZIL UNITED IN SUPPORT OF OPERATION CAR WASH! RETURN TO STREETS  NOW  
- Paulista avenue,  1682
SEE VIDEO: 




#ILLEGAL POLITICIZATION IN THE BRAZILIAN JUDICIARY
    • MEMORANDA OF REPUDIATION FORMER PRESIDENTE LULA’S RELEASEBY UNAJUF -  NATIONAL UNION OF THE FEDERAL JUDGES OF BRAZIL
    • CONGRTULATE TRUMP AND KIM’S  SUCCESSFUL SINGAPORE SUMMIT MEETING 
    • ALSO ASK FOR HELP TO THE BRAZILIAN DEMOCRACY  DYING  IN DARKNESS BY BRAZILIAN SUPERIOR ELECTORAL COURT (TSE) THAT WAS DENOUNCED IN THE ORGANIZATION OF AMERICAN STATES (OAS) 
    • MPF(BRAZILIAN FEDERAL PROSECUTIONS OFFICE)  DENOUNCES SÉRGIA MIRANDA FOR FRAUD AT SIMCOL AND SHOULD INVESTIGATE CAIO ASFOR NOVEMBER 27, 2017 WALTER BARDAWIL



BRAZIL UNITED IN SUPPORT OF OPERATION CAR WASH! RETURN TO STREETS  NOW  
- Paulista avenue,  1682
SEE VIDEO: 
https://www.facebook.com/vempraruasaopaulo/videos/1673658086014844/

SOURCE/LINK: http://unajuf.blogspot.com/2018/07/repudio-soltura-de-lula.html
JULY 8 , 2018
MEMORANDA OF REPUDIATION FORMER PRESIDENTE LULA’S RELEASE
Illegal Politicization in the Brazilian Judiciary
UNAJUF -  NATIONAL UNION OF THE FEDERAL JUDGES OF BRAZIL - expresses its deepest condemnation of the decision handed down in a judicial position within the Federal Regional Court of the 4th Region, which determined Mr. Lula's release by clarifying to the Brazilian people that said decision is not legally valid nor does it merit any credit for its illegal character and manifestly contrary to the principles governing judicial decisions, in violation of the system of functioning envisaged by the National Council of Justice.
The decision issued by the Judge, coming from the so-called fifth constitutional, only demonstrates that a profound reformulation of the Judiciary is necessary because of the political apparatus that this body has undergone in the last 15 years, placing in the naked situations esdrúxulas of political indications.
Finally we leave our most vehement repudiation for the affront to the dictates of legality and above all of honesty that is expected from judicial decisions.
Brazil, July 08, 2018.


UNAJUF 





==//==

      

SOURCE/LINK: http://convergencias.org.br/tse-denunciado-na-oea-com-carta-do-convergencias/

BRAZILIAN SUPERIOR ELECTORAL COURT (TSE) WAS  DENOUNCED IN THE ORGANIZATION OF AMERICAN STATES (OAS)  WITH LETTER BY “CONVERGENCIAS”

June 5, 2018 “Convergências” “Convergencia” 
 QUI17 - QUITO (ECUADOR) - 06/06/04 - General view of the opening of the XXXIV General Assembly of the Organization of American States (OAS) held this Sunday, June 6, at the National Theater of the House of Culture in Quito. EFE / Guillermo Legaria
DOCUMENT, SIGNED BY 96 MOVEMENTS AND CIVIL ENTITIES, WAS DELIVERED DIRECTLY TO THE HANDS OF SECRETARY GENERAL LUIZ ALMAGRO LEMES, AT THE 48TH GENERAL ASSEMBLY HELD ON THIS DATE IN WASHINGTON DC DENOUNCING THE LACK OF TRANSPARENCY IN THE BRAZILIAN ELECTORAL PROCESS

The letter, after the praxis presentations, highlights the scope:
We denounce, at this moment, the total lack of transparency in the current Brazilian electoral system, especially as regards the counting of votes, because the electronic voting machine do not issue any printed physical counter-tests for voter pre-confirmation before confirming their wish, as well as of any recount, and not respecting the Constitutional Principle of Publicity of administrative acts (article 37 of the Federal Constitution), making the entire electoral process ILLEGITIBLE, wounding death to Democracy, a process similar to what happened to our unhappy Venezuelan brothers.

The letter tells a brief history of the Brazilian case, making connections, and demonstrating that the authorities insist on breaking the law and even the Constitution, using machines that count votes in secret. The document was delivered by Prof. Hermes Rodrigues Nery, President of the Movement Legislation and Life, who attended the 48th General Assembly of the Organization of American States (OAS) at the invitation of the organization.
Prof. Hermes Nery delivers the Charter directly to the Secretary General

In the letter, the movements ask the OAS to intervene with questions from the Brazilian authorities, as well as to express its views on international human rights and political treaties that are endangered in Brazil.
Here is the Letter in its entirety, with the list of Signatory Movements:
Brazil, June 2018

THEORGANIZATION OF AMERICAN STATES
ATT .: MR. LUIS ALMAGRO LEMES
MD GENERAL SECRETARY
SUBJECT: ABSENCE OF TRANSPARENCY IN THE ELECTORAL PROCESS OF BRAZIL

Dear sir:

We coordinated a coalition of movements, groups and activists in the interest of the Brazilian people. These movements have millions of followers in particular by social networks and seek greater integration and effectiveness in their actions in the intelligent and peaceful defense of the State of Law and Democracy, legality of public acts, and also contribute to the authorities constituted by means of of criticisms, suggestions and collections, including actions in the political and judicial field. This coalition, whose denomination is “CONVERGENCIAS” does not have head office , since its components decide the actions through the social networks. And everything is published on a website: www.convergencias.org.br
We denounce, at this moment, the total lack of transparency in the current Brazilian electoral system, especially as regards the counting of votes, because the electronic ballot boxes do not issue any printed physical counter-tests for voter pre-confirmation before confirming their wish, as well as of any recount, and not respecting the Constitutional Principle of Publicity of administrative acts (article 37 of the Federal Constitution), making the entire electoral process ILLEGITIBLE, wounding death to Democracy, a process similar to what happened to our unhappy Venezuelan brothers.
MORE DETAILED DESCRIPTION OF THE SITUATION:
The current process, fully automated by means of electronic voting machines, although the disclosure of alleged benefits, such as "speed of calculation and elimination of huge queues", has many sensitive points and proven fragilities that make them unfit for their primary function. Even recently, the very court in charge of organizing and supervising the elections has carried out a public test of the process, of the software and of the electronic equipment, and confirmed several problems that had previously been pointed out by leading experts. The court's response was that the problems identified would be corrected in time for the election.

Implemented in 1996, the system, which does not produce any physical proof of the vote, proved to be absolutely unreliable. Needless to say, such a system puts democracy at risk by facing all the processes of transparency and compliance required in the treatment of the "public thing", especially in the choice of representatives of the Legislative Branch and of the Executive Branch, who will lead the country, as a rule, owe their satisfaction to the people.
Despite this, the Supreme Electoral Tribunal (TSE), despite the evidence already cited, insists irrationally on the inviolability of the electronic voting machine. Affirmations of this type are known to be crazy, since even more complex and protected systems are invaded daily by hackers, from anywhere on the planet.
In addition, other problems arise, such as the noncompliance with the law by the body that should supervise it, vicious processes of selection of companies that provide services and exorbitant costs of equipment and services.
On 09/29/2015, Law 13,165 was published which obliges the installation of printers in electronic voting machines to issue the physical proof of the vote. After two years, that court did not adopt any measures to comply with this law. No budgetary action was taken, much less if any steps were taken regarding the identification and homologation of printing equipment and respective field bids and tests, only starting such negotiations as of November 2017, in view of the increasing pressures that Convergências and other groups exercise over the TSE. In fact, it was only possible to take some emergency action due to the pressure exerted on the National Congress commission in charge of authorizing additions to the Union Budget, with the allocation of approximately R $ 250 million for this purpose.
The TSE stated that there were insufficient funds for the acquisition of 600 thousand ballot boxes with a printer at a cost of R $ 2.5 billion (US $ 800 million), but in the face of pressure from society, which gathered the correct information and proved that it would not be necessary to manufacture new urns, but only to couple printers to the existing ones, the TSE forced itself to adopt the mentioned alternative. However, avoiding to implement them in their entirety, the then President of TSE, Minister Gilmar Mendes, announced the acquisition of only 30,000 printers, which corresponds to about 5% of the total number of polls, he said, because there would be no time for the acquisition of all 600 thousand printers.
At this point we wish to emphasize that the use of printers in only 5% of the ballot boxes is a flagrant violation of the Brazilian constitutional right of equality of citizens before the law, since 95% of the voters can not have the physical control of the vote. This means that given the vote there is no certainty to whom it was intended other than the one that appears on the screen of the electronic ballot box. There is no way to vote. It violates the principle of transparency, which is mandatory in Article 37 of our Federal Constitution, which requires publicity, impersonality and legality of the administrative acts practiced by the State. Counting votes is an administrative act and therefore must be public. The ballot has been secret since 1996, since it is held electronically inside each ballot box in each electoral section, issuing a ballot box with all the ballots counted. There is also a possibility of fraud in the transmission of data to the regional courts (in each state) and to the Superior Electoral Court in the Federal Capital, as well as in the aggregation of each of these recipients, depending on the nature of the election, whether state or national. Without physical counterproduction, it is impossible to promote recounts.

The solution is, clearly, the adoption of ballot voting, with public count of votes after the closing of the election in each section of the election. Each one, having a low average number of voters - about 200 to 400 voters - makes it very easy and quick to count and issue the respective bulletin, distributing copies to all present in each section, be they party tax and candidates, are ordinary voters. By advertising such bulletins, you create a mirroring of results, increasing transparency and mitigating the possibility of fraud. And there will still be their own vows stored in the canvas urn, sealed, for eventual recount. As is done in Japan, Germany and USA, just to name a few. Public officials - who demand that we "have public faith in them" - although the state is secular and can not mix legal demands with professions of faith - accuse the system of ballot-voting anachronistic, but in fact, it is much more reliable than the current electronic ballot boxes. 

Not only for Convergencias, but for almost all of Brazilian society, it became evident that the Minister, the President of the TSE until the end of January / 18, avoided complying with the law at all costs. The current president, Minister Luiz Fux intends to follow in the same direction. However, this situation is seen as a prevarication by senior officials of the Brazilian State, that is, the noncompliance with the function for which they are responsible. The fact itself would already be worrying if it applied to common servers, but when such behaviors depart from servers of such high court, PROTECTED BY THEMSELVES, WHICH ARE PART OF THE SUPREME FEDERAL COURT, indicate serious signs of dysfunction in the political system. If this absurd situation persists, the tendency is the degeneration of the system, which could generate an acute and profound crisis in the country, leading us to the catastrophic situation of Venezuela.
Serious problems were also detected in the management of equipment costs. The unit cost of each printer, submitted by TSE, stands at R $ 2,000.00 (US $ 533.00). However, surveys carried out by specialists who are components of Convergências, in addition to others not related to it, have found that this value exceeds the market price of equivalent equipment by ten times. If we consider that the acquisition in large lots normally tends to reduce the unit price, it is certain that the cost of each one can be between R $ 200.00 (US $ 53.00) and R $ 400.00 (US $ 106 , 00), a drastic reduction of costs. Although it was possible to approve in the General Budget of the Union, through a National Congress, a sum of R $ 250 million (about US $ 66 million) that would serve to produce all the 600 thousand printers, the resource was not requested by the TSE .
At this juncture, Convergencias has adopted several procedures to demand from the institutions and responsible authorities the correct and complete compliance with the law so that the entire electoral process is fully transparent in the elections that will take place in the current year.
Aiming to react to these irregularities and illegalities, the “Convergencias” implemented several measures, among them the entry with actions in the Federal Court. One of them is a Popular Action that requires that the vote can be exercised by means of paper ballots in the sections in which the electronic ballot boxes do not provide voting impression equipment for voter pre-conference purposes, before final confirmation of the voting process. voting, thus allowing, if necessary, an audit action.


Even if the impression of the vote allows the subsequent conference, due to physical counter-trial, will incur in breach of constitutional rights if the TSE remains in the illegal provision to provide printers of votes only for a minimal portion of electronic ballot boxes. For this reason, it joined the aforementioned Popular Action, requiring the issuance of paper ballots and ballot boxes for the remaining 95% of the electoral sections. Other actions such as the Brazilian Homeland Association and the Brazilian Resgate Institute require the right of public scrutiny, based on the constitutional principle of publicity of public acts.
Surrounded, the authorities try to suspend the effects of the Law that introduced the compulsory printing of the vote, promulgated in 2015, as mentioned above, through a Direct Action of Unconstitutionality (ADIN) presented by the Attorney General's Office (PGR) to the Supreme Court Federal Court, even after the Letter of the “Convergencias filed and delivered to the Chief Prosecutor, Dr. Raquel Dodge, in which we requested action against the offenses of Minister Gilmar Mendes, then president of TSE and we informed about the actions of the Society in Federal Court. In a strange coincidence, the minister of the STF raffled was nothing more, nothing less than Minister Gilmar Mendes himself, simultaneously a member of the TSE and the STF (in fact, the structuring of the Brazilian Judiciary is very biased). In addition to the unprecedented action, which goes against the interests of the population, against the necessary transparency duly registered in the Federal Constitution (article 37), it also lays down against the Principle of Annuity (Article 16 of the Constitution) less than 12 months before the next election. To further aggravate the framework of immorality and illegality also in this case, the Minister of Justice Gilmar Mendes himself was the rapporteur for the measure proposed by the Attorney General of the Republic, who presided until February / 18 the TSE, being, by law, prevented from judging matter in the which is or has been a part, which is being disregarded by the other ministers of the Federal Supreme Court. That is, the judicial authorities are disrespecting head and shamelessly, the legislation and the Constitution that they have vowed to defend, as well as the legal obligation to do so.

The facts that dissuade all republican lawfulness are multiplied perpetrated by public agents increasingly devoid of modesty. Minister Gilmar Mendes, who presided over the TSE, moved his former direct advisor to be appointed as Director of Technical and Legal Affairs of the Federal Senate, where he has, against him, impeachment proceedings for several reasons. The impeachment processes that are the constitutional responsibility of the Senate of the Republic do not have a technical-juridical opinion exactly of this Executive Board, to which its former advisor was appointed. The Nation is shocked.
Although there is already legislation requiring paper ballots and canvas ballot to be made available at all polling stations in the event of failure in some electronic ballot box, the TSE has insisted on alternatives that entail enormous costs, such as the acquisition of entirely new ballot boxes in which are already coupled with the printers of votes. This insistence, one supposes, is due to the attempt to create a smokescreen to conceal the true intention, which is to keep the present system exactly as it is: susceptible of fraud. In the last election the conference of votes was carried out by a group of the TSE own and without access to any other citizen; the conference was secretly headed by Minister Dias Toffoli, a member of the Workers' Party (PT), an organization that is currently being challenged by Brazilian society in the face of many of its members being jailed and prosecuted by Operation Car Wash. There was no transparency in that calculation and totaling of the votes to the second round of the presidential elections, which occurred in 2014.

It is now expected that the Federal Court will comply with the judicial measures proposed by the Company. Thus, in addition to equalizing all voters in their constitutional rights, we will have 100 percent of the votes with the physical counter-vote for eventual audits.

We also inform that a Legislative Suggestion to the Senate (nº 39/17), which exceeded 20 thousand signatures in very short time, presented by one of the members of the Conclave for Democracy (which integrates Convergencies), was rejected by the Rapporteurship and by the Commission of Human Rights of the Senate (https://www12.senado.leg.br/noticias/audios/2018/02/cdh-rejeita-sugestao-do-retorno-ao-voto-em-cedula), under the justification that the printed vote is approved. That is, the People are being curtailed of their right to the transparency of the voting process in Brazil. We believe that the international organizations that fight against corruption in the world, seeking the transparency of public acts, should take note of this grave situation in Brazil, which is why we have issued this note, which is signed by Civil Movements and Activists in “Convergencias”.

As we have for the moment, we hope that this DENUNCIATION will be widely disseminated and that the OAS will consider the need to demand from the Brazilian authorities, compliance with the law and the Constitution, which are in line with International Treaties such as the Pact of San José de Costa Rica, of the Charter of Human Rights of the United Nations and of the Inter-American Democratic Charter, adopted at the OAS General Assembly in 2001, and we are at your disposal for further clarification.

Best regards,

“CONVERGENCIAS”
Civil Movements in Brazil

Thomas Korontai

Coordinator
Signatory Movements and Institutions (In alphabetical order):

Acampamento LAVA JATO
Bloco Movimento Brasil
Chega de Impostos
Curitiba Contra Corrupção
Direita Boa Esperança Do Sul
Direita Franca
Direita Guariba
Direita Jaboticabal
Direita Minas
Direita Minas – Bambuí
Direita Minas – Bom Despacho
Direita Minas –Borda da Mata
Direita Minas – Cambuquira
Direita Minas – Capitão Enéas
Direita Minas – Contagem
Direita Minas – Felisburgo
Direita Minas – Governador Valadares
Direita Minas – Itabira
Direita Minas – Ituiutaba
Direita Minas – Juiz de Fora
Direita Minas – Lavras
Direita Minas – Montes Claros
Direita Minas – Ouro Fino
Direita Minas – Paracatu
Direita Minas – Patos de Minas
Direita Minas – Poços de Caldas
Direita Minas – Ribeirão das Neves
Direita Minas – Samonte
Direita Minas – Santa Rita do Sapucaí
Direita Minas – Sete Lagoas
Direita Minas – Três Corações
Direita Minas – Uberaba
Direita Minas – Varginha
Direita Morro Agudo
Direita – Orlândia
Direita – RM Ribeirão Preto
Direita – São José (SJC/SP)
Direita Sertãozinho
Endireita Pernambuco
Instituto Legislação e Vida
Liga Federalista Nacional
Movimento Avança Brasil
Movimento Federalista
Movimento Rua Brasil
Resistência Popular SM
UNATRANS – União Nacional dos Transportes Rodoviários e Autônomos
Ativistas Independentes SP
BrasileirOS.brOS
Conclave pela Democracia
Direita ABC
Direita Cravinhos
Direita Guaíra
Direita Ilha Bela
Direita Litoral
Direita Minas – Alfenas
Direita Minas – Betim
Direita Minas – Bom Repouso
Direita Minas – Cambuí
Direita Minas – Campanha
Direita Minas – Carandaí
Direita Minas – Córrego do Bom Jesus
Direita Minas – Frutal
Direita Minas – Ipatinga
Direita Minas – Itajubá
Direita Minas – João Monlevade
Direita Minas – Lafaiete
Direita Minas – Luminárias
Direita Minas – Nepomuceno
Direita Minas – Ouro Preto
Direita Minas – Passos
Direita Minas – Perdões
Direita Minas – Pouso Alegre
Direita Minas – Rio Pardo
Direita Minas – Santa Luzia
Direita Minas – São Domingos da Prata
Direita Minas – Teófilo Otoni
Direita Minas – Três Pontas
Direita Minas – Uberlândias
Direita Minas – Viçosa
Direita MS (Mato Grosso do Sul)
Direita – Pontal
Direita – RMVale
Direita São Paulo
Direita Ubatuba
Instituto Federalista
Instituto Liberal Acorda Brasil
Marcha Cívica
Movimento Direita Ceará
Movimento juntos Pelo Brasil
NasRuas
São Paulo Conservador
Voz da Liberdade





==//==
    • 
    • 
    • 


LG


not respecting the Constitutional Principle of Publicity of administrative acts (article 37 of the Federal Constitution)


==//==

SOURCE/LINK: https://edition.cnn.com/2018/06/12/asia/singapore-summit-intl/index.html



Singapore summit: Asia reacts to the Trump-Kim meeting
By Joshua Berlinger, CNN
Updated 0011 GMT (0811 HKT) June 13, 2018 
(CNN)As Tuesday's landmark summit between the leaders of the United States and North Korea drew to a close, questions remained for US allies in East Asia as to what Donald Trump and Kim Jong Un's budding relationship will mean for the region.
A document signed by the two men committed the US and North Korea to join efforts to "build a lasting and stable peace regime on the Korean Peninsula" and "to work toward the complete denuclearization of the Korean Peninsula." 
Trump sought to clarify the specifics of that agreement in a news conference after the summit, but in doing so, revealed details that appeared to upend decades of US policy in Asia. 

Key moments from the Trump-Kim summit 
Trump outlined a vision of an Asian geopolitical landscape that included a significantly reduced US military presence, promising to end joint US-South Korean military exercises and eventually withdraw US troops from the Korean Peninsula.
Any suggestion of a potential removal of US power will likely spark concerns both in Tokyo and Seoul, where US troops have been stationed since the 1950s.
"I want to get our soldiers out. I want to bring our soldiers back home," Trump said. "But that's not part of the equation right now. I hope it will be eventually."
Trump also said he planed to halt what he called "war games" on the Korean Peninsula, likely a reference to the joint military exercises between the US and South Korea, touting the cancellation as cost saving measure.
Moon's all in
Regional powers have publicly pledged their support for the talks, following last year's heightened tensions and threats of nuclear war.
Other than Trump and Kim, perhaps no other leader had as much riding on the outcome of the talks as South Korean President Moon Jae-in -- who said he "didn't sleep a wink" the night before Tuesday's summit.
"Seventy years of division and hostility, however, have cast a dark shadow that makes it difficult to believe what is actually taking place before our very eyes," Moon said following the summit.
"Leaving dark days of war and conflict behind, we will write a new chapter of peace and cooperation. We will be there together with North Korea along the way."

Trump's North Korean gamble ends with 'special bond' with Kim
In a phone conversation with Trump Tuesday evening, Moon said that the summit had "laid a great foundation for peace, not only for the Korean peninsula but for the world," according to Kim Eui-kyeom, a spokesman for the presidential Blue House.
During the call, the two leaders agreed to work together more closely to ensure the contents of the agreement are fully implemented, he added.
It was the second phone call between the leaders in two days, which the spokesman described as unprecedented in US-South Korea diplomatic history.
Moon has played the role of interlocutor between Trump and Kim, helping to set up what he called the "meeting of the century."
He spearheaded diplomatic efforts with the North by using the PyeongChang Winter Olympics as an opportunity to mend fences with Pyongyang. Moon would go on to meet with Kim at the end of April for the first inter-Korean summit in more than a decade.
But even mentioning the removal of troops in South Korea could be a bridge too far for Seoul, especially among its conservative and pro-American voters.
A smaller US military footprint in Asia would leave both South Korea and neighboring Japan exposed if North Korea were to undertake aggressive behavior or military provocations. 
"The crown jewel of the deterrent largely is the bilateral military exercises," said Jonathan Berkshire Miller, an analyst at the Japan Institute for International Affairs. 
"That sort of language, that these crucial elements of alliance deterrence are actually a pain in the butt, that doesn't go over very well in Japan," said Berkshire Miller.
In addition to protecting South Korea and Japan from the threat of North Korean missile strike, the US' presence in the region has acted as a counterweight to China.
Seoul and Tokyo would have to take a second look at their defense capabilities, perhaps even bolster them, should Washington choose to pull back -- something US Defense Secretary James Mattis said earlier this month would not be part of Trump's initial negotiations with Kim Jong Un.
Colonel Chad Carroll, a spokesman for US Forces Korea (USFK), told CNN "we here at USFK received no official updated guidance on execution or cessation in any upcoming training exercises."
Seoul and Washington maintain the drills are defensive in nature and meant to maintain the readiness of their forces, but Pyongyang has always viewed them as hostile, and in some cases as preparation for an invasion. 
A win for China? 
China appears to be another big winner of Tuesday's talks. Its foreign minister, Wang Yi, said Tuesday the summit was of "great significance" and a positive step forward.
But it also got Washington and Pyongyang to abide by a deal it proposed last year, albeit without Trump and Kim acknowledging it.
Moscow and Beijing both championed a so-called "freeze for freeze" deal, in which Washington and Seoul would pause military exercises and Pyongyang would stop weapons testing.
Both North Korea and the United States rejected the proposal out of hand when it was first proposed. Now, it appears that China has gotten its wish, with both sides halting those activities. 
And the eventual removal of troops is music to Chinese President Xi Jinping's ears. 
China has long been opposed to the American military presence in Japan and South Korea, worried the troops and military equipment on Beijing's doorstep was less about countering North Korean and more about containing a rising and powerful China.
To date, Beijing has been an important partner in Trump's maximum pressure campaign to diplomatically isolate North Korea and punish it economically, as it make makes up for about 90% of all of Pyongyang's foreign trade.
Trump said Tuesday that sanctions will remain in place until "we are sure the nukes are no longer a factor," but it's unclear if China will continue to vigorously enforce them.
There have been reports of increased trade on the country's border with North Korea, and Foreign Minister Wang told reporters Tuesday that sanctions could be adjusted.
"China always holds the view that sanctions are not the goal. Actions by the UN Security Council should support and coordinate with the current diplomatic dialogues and efforts on the denuclearization of the Korean Peninsula, and the promotion of a political settlement on the peninsula issue," he said.
Abe's small victory
Trump also said he confronted Kim about North Korea's kidnapping of Japanese citizens in the 1970s and 1980s, something Japanese Prime Minister Shinzo Abe thanked the US President for later in the day.
The abduction issue is a highly emotional topic in Japan, and something Abe says must be addressed before Tokyo normalizes relations with Pyongyang.

Kim and Trump sign their declaration in Singapore on Tuesday. 
The abduction issue is the issue that I would like to squarely face with NK for the solution." 
"North Korea has plentiful resources and labor, if it walks in the right path, it can draw a bright future," Abe said earlier Tuesday.
CNN's Yuli Yang and Steve George in Hong Kong; Sophie Jeong, Jeremy Diamond and Yoonjung Seo in Singapore; and Steven Jiang in Beijing contributed reporting.

==//==
SOURCE/LINK: https://youtu.be/wjktryXOA_s


Piano Sonata No. 2 "Funeral March", III. Marche funèbre - Frédéric Chopin - Classical Music Piano


66.998 visualizações

547 9
Download
Compartilhar 





Músicas Instrumentais 
Publicado em 13 de jul de 2014


Piano Sonata No. 2 in B-flat minor, Op. 35 "The Funeral March", III. Marche funèbre: Lento by Frédéric Chopin. Thank you so much for watching this video. I hope you enjoy it and don't forget to share it! 

Categoria 
Música 
Licença 
Licença padrão do YouTube
==//==
SOURCE/LINK: http://www.vianoticias.blog.br/mpf-denuncia-sergia-miranda-fraude-na-simcol-deve-investigar-caio-asfor/
MPF(Brazilian Federal Prosecutions Office)  denounces Sérgia Miranda for fraud at Simcol and should investigate Caio Asfor
November 27, 2017 Walter Bardawil







Offices "Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria" and "Rocha, Marinho e Sales" would be linked by means of operating behind a particular type naive person offering to represent another in an illegal activity "straw" man (in portuguese “laranjas”)

The Federal Public Prosecutor's Office (MPF), through the Deputy Attorney General, Luciano Mariz Maia, offered the Superior Court of Justice (STJ) a crime against the Sérgia Maria Mendonça Miranda district attorney for fraud involving the failed bankruptcy of Simcol (building company undergoing bankruptcy).

She dispatched an injunction and wrongly ordered (in one of her shifts) the payment of a check in the amount of one million, one hundred and nineteen thousand, nine hundred and thirty-two reais and one centavo to the office "Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria", which, at the time, in May 2013, had provided legal services to the company.
In addition to Sérgia, Frankraley Oliveira Gomes - boyfriend of the judge at the time -, Paulo Fernando Mendonça and Claudia Adrienne Sampaio de Oliveira are enrolled.

Check out excerpt from MPF complaint.
Orange Partnership
SIMCOL would also have been harmed, in a criminal manner, through another injunction of the same adjudicator. The company was forced to pay very high amounts (over R $ 1 million) to the law firm "Rocha, Marinho e Sales", owned by attorney Caio Asfor.

The payment was made by means of an "orange" connected to the "Sampaio, Tavares Advocacia e Consultoria" office.

The denunciation was sent to the Minister of STJ, Herman Benjamin, by the businessman Gilberto Martins Borges, majority partner and representative of the bankrupt company.

Part of the document of Gilberto Borges below.

  • 
      
==//==
SOURCE/LINK: http://unajuf.blogspot.com/2018/07/repudio-soltura-de-lula.html


REPÚDIO À SOLTURA DE LULA
NOTA 08 - 
Politização Ilegal no Judiciário


A UNAJUF - UNIÃO NACIONAL DOS JUÍZES FEDERAIS - manifesta seu mais profundo repúdio diante da decisão proferida em plantão judiciário no âmbito do Tribunal Regional Federal da 4ª região que determinou a soltura do Sr. Lula esclarecendo ao povo brasileiro que a referida decisão não é juridicamente válida e tampouco merece qualquer crédito pelo seu caráter ilegal e manifestamente contrário aos princípios que regem decisões tomadas em sede de plantão judiciário, violando a sistemática de funcionamento prevista pelo Conselho Nacional de Justiça.
A decisão proferida pelo Desembargador, oriundo do chamado quinto constitucional, apenas demonstra que é necessária uma profunda reformulação do Poder Judiciário em razão do aparelhamento político que este órgão sofreu nos últimos 15 anos, colocando a nu situações esdrúxulas de indicações políticas.

Por fim deixamos nossos mais veemente repúdio pela afronta aos ditames da legalidade e sobretudo de honestidade que se espera de decisões judiciais.
Brasil, 08 de Julho de 2018.
UNAJUF

Postado há 12 hours ago por União Nacional dos Juízes Federais
  
13 
Visualizar comentários


    1. 
       
       Erikson Andrade8 de julho de 2018 10:15
       #ForaForoSP
       Responder
       
       
    2. 
       Roberto8 de julho de 2018 10:25
       Infelizmente nosso Brasil está totalmente a deriva.
       Responder
    3. 
    4. 
    5. 
       Vilma Ignez lopes da silva8 de julho de 2018 10:49
       Parabéns UNAJUF !!!
Parabéns Juiz Eduardo Cubas ao repúdio à soltura do Lula
       Responder
    6. 
    7. 
    8. 
       Antonio Carlos8 de julho de 2018 11:53
       Merece nosso elogio. No entanto, a sociedade que espera que um dia este país venha a ser uma democracia e que seu Poder Judiciário se faça respeitar, quer que não fique apenas em "notas de repúdio" mas em ação eficaz e concreta contra esse "juiz".
       Responder
    9. 
    10. 
    11. 
       Unknown8 de julho de 2018 13:44
       O sistema judiciário brasileiro colocou a democracia brasileira em suspenso. As medidas de exceção foram sistematicamente toleradas, criando essa panaceia generalizada.
Desqualificar o juiz muito pouco serve diante da bagunça que fizeram.
       Responder
    12. 
    13. 
    14. 
       Unknown8 de julho de 2018 13:51
       É preciso acabar com todas as formas de indicação política de magistrados. 

O judiciário deve ser composto apenas por juízes de carreira, concursados.
       Responder
    15. 
    16. 
    17. 
       Carejangrejo8 de julho de 2018 14:35
       A politização só é nefasta e ilegal quando contraria os interesses dessa tal de UNAJUF pelo visto.
       Responder
    18. 
    19. 
    20. 
       Unknown8 de julho de 2018 15:01
       Parabens Srs. Juizes Federais pela coragem de se manisfestar contra os criminosos do poder. Coragem para continuar e depor os quatro inconfundíveis bandidos que estão na 2a. turma do STF.
       Responder
    21. 
    22. 
    23. 
       Unknown8 de julho de 2018 15:03
       Comentário acima.
       Responder
    24. 
    25. 
    26. 
       Renata Pires8 de julho de 2018 16:14
       Simplesmente PERFEITO!
       Responder
    27. 
    28. 
    29. 
       jose alves peixoto Filho8 de julho de 2018 16:32
       É o que vai acontecer agora? Um desembargador profere uma decisão temerosa e fica assim, o rito por nao dito, usurpa competência de um colegiado juntamente com um político advogado nessa armação e não acontece nada?
       Responder
    30. 
    31. 
    32. 
       balbino mattos8 de julho de 2018 17:08
       Esse negócio de ter juizes Desembargadores e ministros vestindo togas sem merecer é uma afronta aos que estudaram e lutaram pra estar por direito legal e moral como magistrado.
Essa vergonha tem que acabar como acabaram com os juízes classistas.
       Responder
    33. 
    34. 
    35. 
       Unknown8 de julho de 2018 17:58
       Esse des Favreto sabia bem o que estavq fazendo por isso a Corregedoria tem que tomar providencias urgente.senão virou bagunça. Aí não é a casa da mãe Joana. Ou é?
       Responder
    36. 
    37. 
    38. 



SOURCE/LINK: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/nasruas-vai-ao-cnj-contra-desembargador-que-mandou-soltar-lula/

NasRuas vai ao CNJ contra desembargador que mandou soltar Lula
65
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    •  
    • 

Luiz Vassallo, Ricardo Brandt, Julia Affonso e Amanda Pupo
08 Julho 2018 | 14h11
O Movimento NasRuas informou na tarde deste domingo, 8, que vai ingressar com reclamação no Conselho Nacional de Justiça para abertura de processo disciplinar contra o desembargador Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4. Região (TRF-4), que mandou soltar o ex-presidente Lula.
“Vamos pedir o afastamento imediato deste desembargador, chega de politicagem no Judiciário”, afirma Carla Zambelli, do NasRuas.
NasRuas avalia que o magistrado ‘agiu com índole política’ ao decidir pela soltura do petista. O próprio desembargador, que chegou aos quadros do Tribunal da Lava Jato pela via do quinto constitucional da Advocacia, foi filiado ao PT por quase 20 anos, de 1991 a 2010, e procurador da prefeitura de Porto Alegre na gestão do governo Tarso Genro.
Depois, Favreto foi assessor da Casa Civil no governo Lula e do Ministério da Justiça quando Tarso ocupou a Pasta, também no governo a quem neste domingo, 8, ele deu habeas corpus.
PUBLICIDADE

inRead invented by Teads
Lula está preso desde a noite de 7 de abril, para cumprimento da pena de 12 anos e um mês de reclusão no processo do triplex do Guarujá.
Contra a decisão de Favreto insurgiu-se o juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato. Moro considera que o desembargador não tem competência para decidir pelo habeas em favor de Lula porque não integra o colegiado da 8.ª Turma do TRF-4 – que impôs a pena de 12 anos e um mês de reclusão a Lula.
“O desembargador plantonista, com todo o respeito, é autoridade absolutamente incompetente para sobrepor-se à decisão do Colegiado da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região e ainda no Plenário do Supremo Tribunal Federal”, cravou Moro.
Favreto voltou à carga em seguida e reiterou sua decisão de mandar soltar o ex-presidente.
A reportagem está tentando contato com o desembargador Favreto. O espaço está aberto para manifestação.
COM A PALAVRA, A DEFESA DE LULA
Em relação ao habeas corpus impetrado por parlamentares em favor perante o TRF4 -Tribunal Regional Federal da 4ª. Região (HC nº5025614-40.2018.4.04.0000/PR) a defesa técnica do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva registra que:
1- O juiz de primeira instância Sergio Moro, em férias e atualmente sem jurisdição no processo, autuou decisivamente para impedir o cumprimento da ordem de soltura emitida por um Desembargador Federal do TRF4 em favor de Lula, direcionando o caso para outro Desembargador Federal do mesmo Tribunal que não poderia atuar neste domingo (08/07);
2- É incompatível com a atuação de um juiz agir estrategicamente para impedir a soltura de um jurisdicionado privado de sua liberdade por força de execução antecipada da pena que afronta ao Texto Constitucional — que expressamente impede a prisão antes de decisão condenatória definitiva (CF/88, art. 5º, LVII);
3- O juiz Moro e o MPF de Curitiba atuaram mais uma vez como um bloco monolítico contra a liberdade de Lula, mostrando que não há separação entre a atuação do magistrado e o órgão de acusação;
4- A atuação do juiz Moro e do MPF para impedir o cumprimento de uma decisão judicial do Tribunal de Apelação reforçam que Lula é vítima de “lawfare”, que consiste no abuso e na má utilização das leis e dos procedimentos jurídicos para fins de perseguição política;
5- A defesa de Lula usará de todos os meios legalmente previstos, nos procedimentos judiciais e também no procedimento que tramita perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU, para reforçar que o ex-presidente tem permanentemente violado seu direito fundamental a um julgamento justo, imparcial e independente e que sua prisão é incompatível com o Estado de Direito.
CRISTIANO ZANIN MARTINS
==//==

SOURCE/LINK: http://convergencias.org.br/tse-denunciado-na-oea-com-carta-do-convergencias/



    • Home 
    • O que é o Convergências 
    • Signatários 
    • Como funciona 
    • Fale conosco 
PETIÇÃO PUBLICA DE APOIO CARTA ENVIADA PELO CONVERGÊNCIAS DENUNCIANDO TSE  NA OEA 
5 de junho de 2018 Convergências Convergência 3 

QUI17 - QUITO (ECUADOR) - 06/06/04 - Vista general de la inauguración de la XXXIV Asamblea General de la Organización de Estados Americanos (OEA) realizada la noche de hoy, domingo 6 de junio, en el Teatro Nacional de la Casa de la Cultura en Quito. EFE/Guillermo Legaria 
DOCUMENTO, ASSINADO POR 96 MOVIMENTOS E ENTIDADES CIVIS, FOI ENTREGUE DIRETAMENTE ÀS MÃOS DO SECRETÁRIO GERAL LUIZ ALMAGRO LEMES, NA 48º ASSEMBLEIA GERAL REALIZADA NESTA DATA EM WASHINGTON DC DENUNCIANDO A FALTA DE TRANSPARÊNCIA NO PROCESSO ELEITORAL BRASILEIRO
A carta, após as apresentações de praxe, destaca o escopo:
Denunciamos, neste momento, a ausência total de transparência no atual sistema eleitoral brasileiro, sobretudo no que tange à apuração dos votos, pelo fato de as urnas eletrônicas não emitirem nenhuma contraprova física impressa para conferência previa do eleitor antes de confirmar seu desejo, bem como de eventual recontagem, e não ser respeitado o Princípio Constitucional da Publicidade dos atos administrativos (art. 37 da Constituição Federal), tornando todo o processo eleitoral ILEGÍTIMO, ferindo de morte a Democracia, processo parecido com o que ocorreu aos nosso infelicitados irmãos venezuelanos.
A carta conta uma breve história do caso brasileiro, fazendo conexões, e demonstrando que as autoridades insistem em descumprir a Lei e até a Constituição, utilizando máquinas que contam votos em segredo. O documento foi entregue pelo Prof. Hermes Rodrigues Nery, Presidente do Movimento Legislação e Vida, que participou da 48º Assembleia Geral da OEA (Organização dos Estados Americanos) a convite da entidade.
Prof. Hermes Nery entrega a Carta diretamente ao Secretário Geral 
Na carta os movimentos pedem à OEA para que a entidade intervenha com questionamentos junto às autoridades brasileiras, bem como, se manifeste em razão dos tratados internacionais de direitos humanos e políticos colocados em risco no Brasil.
Eis a Carta por completo, com a lista dos Movimentos signatários:
Brasil, Junho de 2018
À 
ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS
ATT.: SR. LUIS ALMAGRO LEMES
MD SECRETÁRIO GERAL
ASSUNTO: AUSÊNCIA DE TRANSPARÊNCIA NO PROCESSO ELEITORAL DO BRASIL
Prezado Senhor:
Coordenamos uma coalizão de movimentos, grupos e ativistas em prol do interesse do povo brasileiro. Tais movimentos tem milhões de seguidores em especial pelas redes sociais e buscam maior integração e eficácia em suas ações na defesa inteligente e pacífica do Estado de Direito e da Democracia, legalidade dos atos públicos, apartidariamente, e igualmente, contribuir com as autoridades constituídas por meio de críticas, sugestões e cobranças, incluindo ações no campo político e judicial. Esta coalizão, cuja denominação é CONVERGÊNCIAS, não têm sede, porquanto seus componentes decidem as ações por intermédio das redes sociais. E tudo é publicado em um site: www.convergencias.org.br
Denunciamos, neste momento, a ausência total de transparência no atual sistema eleitoral brasileiro, sobretudo no que tange à apuração dos votos, pelo fato de as urnas eletrônicas não emitirem nenhuma contraprova física impressa para conferência previa do eleitor antes de confirmar seu desejo, bem como de eventual recontagem, e não ser respeitado o Princípio Constitucional da Publicidade dos atos administrativos (art. 37 da Constituição Federal), tornando todo o processo eleitoral ILEGÍTIMO, ferindo de morte a Democracia, processo parecido com o que ocorreu aos nosso infelicitados irmãos venezuelanos.
DESCRIÇÃO MAIS DETALHADA DA SITUAÇÃO:
O atual processo, totalmente automatizado por meio de urnas eletrônicas, embora a divulgação dos supostos benefícios, como a “rapidez na apuração e a eliminação de filas imensas”, apresenta inúmeros pontos sensíveis e comprovadas fragilidades que as tornam impróprias para a sua função precípua. Inclusive, recentemente, o próprio tribunal encarregado de organizar e fiscalizar as eleições realizou teste público do processo, dos softwares e dos equipamentos eletrônicos, tendo sido confirmados vários problemas que anteriormente haviam sido apontados por destacados especialistas. A resposta do referido tribunal foi de que os problemas constatados seriam corrigidos a tempo para a eleição.
Implantado em 1996, o sistema, que não produz nenhuma contraprova física do voto efetuado, revelou-se absolutamente inconfiável. Desnecessário dizer que tal sistema coloca em risco a própria democracia, afrontando todos os processos de transparência e compliance exigidos no trato da “coisa pública”, especialmente na escolha de representantes do Poder Legislativo e do Poder Executivo, que conduzirão o país, os quais, via de regra, devem satisfações ao povo.
Apesar disso, o Tribunal Superior Eleitoral – TSE – mesmo diante das comprovações já citadas, insiste irracionalmente na tese da inviolabilidade das urnas eletrônicas. Afirmações deste tipo são sabidamente disparatadas, porquanto até sistemas muito mais complexos e protegidos são invadidos diariamente por hackers, a partir de qualquer lugar do planeta.
Adicionalmente, outros problemas apresentam-se, como o descumprimento da lei pelo próprio órgão que deveria fiscalizá-la, processos viciados de seleção de empresas prestadoras de serviços e custos exorbitantes de equipamentos e serviços.
Em 29/09/2015, foi publicada a Lei 13.165 que obriga à instalação de impressoras nas urnas eletrônicas para a emissão da prova física do voto. Passados dois anos, o referido tribunal não adotou nenhuma providência para o cumprimento desta lei. Não foi efetuada qualquer providência orçamentária e muito menos se adotou qualquer providência relativa à identificação e homologação de equipamentos de impressão e respectivas licitações e testes de campo, somente iniciando tais tratativas a partir de novembro de 2017, em face das crescentes pressões que o Convergências e outros grupos exercem sobre o TSE. Inclusive, somente foi possível adotar alguma providência emergencial por força da pressão que se exerceu sobre a comissão do Congresso Nacional encarregada de autorizar adições ao Orçamento da União, com a destinação de aproximadamente R$ 250 milhões para esta finalidade.
O TSE afirmava que não havia fundos suficientes para a aquisição de 600 mil urnas com impressora ao custo de R$ 2,5 bilhões (cerca de US$ 800 milhões), porém diante da pressão da sociedade, que reuniu as informações corretas e provou que não seria necessário fabricar novas urnas, mas tão somente acoplar impressoras às existentes, o TSE obrigou-se a adotar a alternativa apontada. Entretanto, evitando implantá-las em sua totalidade, o então Presidente do TSE, Ministro Gilmar Mendes, anunciou a aquisição de somente 30 mil impressoras, o que corresponde a cerca de 5% do total de urnas, segundo ele, porque não haveria tempo hábil para a aquisição de todas as 600 mil impressoras.
Neste ponto desejamos destacar que a utilização de impressoras em somente 5% das urnas é um flagrante desrespeito ao direito constitucional brasileiro de igualdade dos cidadãos perante a lei, pois 95% dos eleitores não poderão ter a contraprova física do voto efetuado. Isto significa que dado o voto não há nenhuma certeza a quem ele foi destinado a não ser aquela que aparece na tela da urna eletrônica. Não há qualquer forma de conferir a votação. Viola frontalmente e de forma principal o Princípio da Transparência, obrigatoriedade instituída no artigo 37 de nossa Constituição Federal, que exige a publicidade, impessoalidade e legalidade dos atos administrativos praticados pelo Estado. A contagem dos votos é um ato administrativo e, portanto, deve ser público. O escrutínio atualmente, desde 1996, é secreto, pois é realizado eletronicamente no interior de cada urna, em cada seção eleitoral, emitindo-se um “boletim de urna” já com todos os votos contabilizados. Há ainda possibilidade fraudes na transmissão dos dados aos tribunais regionais (em cada estado) e ao Tribunal Superior Eleitoral na Capital Federal bem como, na totalização de cada um desses receptores, conforme a natureza da eleição, se de âmbito estadual ou nacional. Sem a contraprova física, é impossível se promover recontagens.
A solução é, claramente, a adoção do voto em cédula, com contagem pública dos votos após o encerramento do pleito em cada seção eleitoral. Cada uma, tendo uma média baixa de eleitores – cerca de 200 a 400 eleitores – torna muito fácil e rápida a contagem pública e emissão do respectivo boletim, distribuindo-se cópias para todos os presentes em cada seção, sejam fiscais de partido e candidatos, sejam eleitores comuns. Com a publicidade de tais boletins, cria-se um espelhamento de resultados, ampliando a transparência e mitigando a possibilidade de fraude. E ainda restarão os próprios votos armazenados na urna de lona, lacrada, para eventual recontagem. Tal como é feito no Japão, Alemanha e EUA, só para citar alguns. Os agentes públicos – que exigem que “tenhamos fé pública neles” – embora o Estado seja laico e não se pode misturar uma exigibilidade legal com profissão de fé – acusam o sistema do voto em cédula de anacrônico, porém, na verdade, é muitíssimo mais confiável do que as atuais urnas eletrônicas.
Não somente para o Convergências, mas para quase toda a sociedade brasileira, tornou-se evidente que o referido Ministro, Presidente do TSE até o fim do mês de janeiro/18, evitou a todo custo cumprir a lei. O atual presidente, Ministro Luiz Fux pretende seguir em idêntica direção. Ora, esta situação configura-se como prevaricação por altos servidores do Estado Brasileiro, isto é, o descumprimento de função pela qual são responsáveis. O fato em si já seria preocupante caso se aplicasse a servidores comuns, mas quando tais comportamentos partem de servidores de tão alta corte, PROTEGIDOS POR ELES MESMOS, QUE FAZEM PARTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, indicam sinais graves de disfunções no sistema político. Caso persista tal situação absurda, a tendência é a degeneração do sistema, podendo gerar crise aguda e profunda no país, nos levando à situação catastrófica da Venezuela.
Foram detectados problemas graves também no gerenciamento dos custos dos equipamentos. O custo unitário de cada impressora, apresentado pelo TSE, situa-se em R$ 2.000,00 (US$ 533,00). Todavia, levantamentos realizados por especialistas componentes do Convergências, além de outros não ligados a ela, descobriram que este valor supera em dez vezes o preço de mercado de equipamentos equivalentes. Se considerarmos que normalmente a aquisição em grandes lotes tende a reduzir o preço unitário, é certo que o custo de cada uma delas poderá ficar entre R$ 200,00 (U$ 53,00) e R$ 400,00 (US$ 106,00), uma drástica redução de custos. Embora se tenha conseguido aprovar no Orçamento Geral da União, via Congresso Nacional, uma verba destacada de R$ 250 milhões (Cerca de US$ 66 milhões) que serviria para fabricar todas as cerca de 600 mil impressoras, o recurso não foi solicitado pelo TSE.
Diante desta conjuntura, o Convergências adotou diversos procedimentos para exigir das referidas instituições e autoridades responsáveis o cumprimento correto e cabal da lei para que todo o processo eleitoral seja plenamente transparente nas eleições que ocorrerão no ano corrente.
Visando reagir a estes desmandos e ilegalidades, o Convergências efetivou diversas medidas, entre elas o ingresso com ações na Justiça Federal. Uma delas é uma Ação Popular que exige que o voto possa ser exercido por meio de cédulas de papel nas seções nas quais as urnas eletrônicas não disponibilizem equipamento de impressão de voto, para fins de conferência prévia do eleitor, antes da confirmação final do processo de votação, permitindo, dessa maneira, se necessário, ação de auditoria.
Ainda que a impressão do voto permita a conferencia posterior, devido a contraprova física, incorrer-se-á na quebra de direitos constitucionais caso o TSE mantenha-se na disposição ilegal de disponibilizar impressoras de votos somente para uma parcela mínima de urnas eletrônicas. Por esta razão ingressou-se com a referida Ação Popular exigindo a disponibilização de cédulas de papel e urnas de lonas para os restantes 95% das seções eleitorais. Outras ações como a da Associação Pátria Brasil e Instituto Resgata Brasil exigem o direito de escrutínio público, com base no princípio constitucional da publicidade dos atos públicos.
Cercadas, as autoridades ensaiam suspender os efeitos da Lei que introduziu a obrigatoriedade da impressão do voto, promulgada ainda em 2015, conforme citado acima, por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) apresentada pela Procuradoria Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal, mesmo após Carta do Convergências protocolada e entregue à Sra. Procuradora Chefe, Dra. Raquel Dodge, na qual solicitamos providências contra os desmandos do Ministro Gilmar Mendes, então presidente do TSE e informamos sobre as ações da Sociedade na Justiça Federal. Em uma estranha coincidência, o ministro do STF sorteado foi nada mais, nada menos que o próprio Ministro Gilmar Mendes, simultaneamente membro do TSE e do STF (de fato, a estruturação o Judiciário Brasileiro é muito tendenciosa). Além da inusitada ação, que vai contra os interesses da população, contra a necessária transparência devidamente inscrita na Constituição Federal (art. 37), depõe também contra o Princípio da Anualidade (art. 16 da Constituição) que proíbe alteração ou imposição legislativa sobre processo eleitoral em prazo inferior a 12 meses antes das eleições seguintes. Para agravar mais ainda o quadro de imoralidade e ilegalidade também neste processo, o relator da medida proposta pela Procuradora Geral da República é o próprio ministro Gilmar Mendes, quem presidiu até fevereiro/18 o TSE, estando, por lei, impedido de julgar matéria na qual seja ou tenha sido parte, o que está sendo desconsiderado pelos demais ministros do Supremo Tribunal Federal. Ou seja, as autoridades do Judiciário estão desrespeitando frontalmente e sem nenhum pudor, a própria legislação e Constituição que juraram defender, além da obrigação de ofício de assim proceder.
Os fatos que desabonam toda e qualquer licitude republicana se multiplicam perpetrados por agentes públicos cada vez mais desprovidos de pudores. O Ministro Gilmar Mendes, que presidia o TSE, deslocou seu ex-assessor direto para ser nomeado como Diretor de Assuntos Técnicos e Jurídicos do Senado Federal, onde tem, contra ele, processos de pedido de impeachment por diversos motivos. Os processos de impeachment que são responsabilidade constitucional do Senado da República prescindem de um parecer técnico-jurídico exatamente desta Diretoria, para a qual, seu ex-assessor foi nomeado. A Nação encontra-se escandalizada.
Embora já exista legislação que obrigue a disponibilização de cédulas de papel e urnas de lona em todas as seções eleitorais para o caso de falha em alguma urna eletrônica, o TSE tem insistido em alternativas que implicam enormes custos, como a aquisição de urnas totalmente novas nas quais já venham acopladas as impressoras de votos. Essa insistência, supõe-se, se deve à tentativa de criar uma cortina de fumaça para dissimular a verdadeira intenção, que é manter o sistema atual exatamente como está: passível de fraude. Na última eleição a conferência de votos foi realizada por um grupo do próprio TSE e sem acesso a qualquer outro cidadão; a conferência foi secreta e dirigida pelo próprio Ministro Dias Toffoli, ligado ao Partido dos Trabalhadores (PT), organização que atualmente sofre enorme contestação da sociedade brasileira, em face de muitos de seus membros estarem presos e processados pela Operação Lava Jato. Não houve nenhuma transparência naquela apuração e totalização dos votos ao segundo turno das eleições à Presidência da República, fato ocorrido em 2014.
Espera-se agora, que a Justiça Federal acate as medidas judiciais propostas pela Sociedade. Desta forma, além de igualarem-se todos os eleitores nos seus direitos constitucionais, teremos cem por cento dos votos com a contraprova física para fins de eventuais auditorias.
Informamos ainda, que uma Sugestão Legislativa ao Senado (nº 39/17) que ultrapassou as 20 mil assinaturas em curtíssimo espaço de tempo, apresentada por um dos membros do Conclave pela Democracia (que integra a Convergências), foi rejeitada pela Relatoria e pela Comissão de Direitos Humanos do Senado (https://www12.senado.leg.br/noticias/audios/2018/02/cdh-rejeita-sugestao-do-retorno-ao-voto-em-cedula), sob a justificativa de que o voto impresso está aprovado. Ou seja, o Povo está sendo cerceado do seu direito à transparência do processo de votação no Brasil. Acreditamos que as organizações internacionais que lutam contra a corrupção no mundo, buscando a transparência dos atos públicos, deveriam tomar conhecimento desta grave situação no Brasil, razão pela qual, emitimos esta nota, que vai assinada por Movimentos e Ativistas Civis em Convergências.
Sendo o que se tinha para o momento, esperamos que esta DENÚNCIA seja amplamente divulgada e que a OEA considere a necessidade de exigir das autoridades brasileiras, o cumprimento da lei e da Constituição, as quais, estão alinhadas com os Tratados Internacionais como o do Pacto de San José de Costa Rica, da Carta de Direitos Humanos da ONU e da Carta Democrática Interamericana, aprovada na Assembleia Geral da OEA em 2001, ao que, nos colocamos à inteira disposição para maiores esclarecimentos que se façam necessários.
Com os melhores cumprimentos,
CONVERGÊNCIAS
Movimentos Civis pelo Brasil
Thomas Korontai
Coordenador
Movimentos e Instituições Signatárias (Em ordem alfabética):
Acampamento LAVA JATO
Bloco Movimento Brasil
Chega de Impostos
Curitiba Contra Corrupção
Direita Boa Esperança Do Sul
Direita Franca
Direita Guariba
Direita Jaboticabal
Direita Minas
Direita Minas – Bambuí
Direita Minas – Bom Despacho
Direita Minas –Borda da Mata
Direita Minas – Cambuquira
Direita Minas – Capitão Enéas
Direita Minas – Contagem
Direita Minas – Felisburgo
Direita Minas – Governador Valadares
Direita Minas – Itabira
Direita Minas – Ituiutaba
Direita Minas – Juiz de Fora
Direita Minas – Lavras
Direita Minas – Montes Claros
Direita Minas – Ouro Fino
Direita Minas – Paracatu
Direita Minas – Patos de Minas
Direita Minas – Poços de Caldas
Direita Minas – Ribeirão das Neves
Direita Minas – Samonte
Direita Minas – Santa Rita do Sapucaí
Direita Minas – Sete Lagoas
Direita Minas – Três Corações
Direita Minas – Uberaba
Direita Minas – Varginha
Direita Morro Agudo
Direita – Orlândia
Direita – RM Ribeirão Preto
Direita – São José (SJC/SP)
Direita Sertãozinho
Endireita Pernambuco
Instituto Legislação e Vida
Liga Federalista Nacional
Movimento Avança Brasil
Movimento Federalista
Movimento Rua Brasil
Resistência Popular SM
UNATRANS – União Nacional dos Transportes Rodoviários e Autônomos
Ativistas Independentes SP
BrasileirOS.brOS
Conclave pela Democracia
Direita ABC
Direita Cravinhos
Direita Guaíra
Direita Ilha Bela
Direita Litoral
Direita Minas – Alfenas
Direita Minas – Betim
Direita Minas – Bom Repouso
Direita Minas – Cambuí
Direita Minas – Campanha
Direita Minas – Carandaí
Direita Minas – Córrego do Bom Jesus
Direita Minas – Frutal
Direita Minas – Ipatinga
Direita Minas – Itajubá
Direita Minas – João Monlevade
Direita Minas – Lafaiete
Direita Minas – Luminárias
Direita Minas – Nepomuceno
Direita Minas – Ouro Preto
Direita Minas – Passos
Direita Minas – Perdões
Direita Minas – Pouso Alegre
Direita Minas – Rio Pardo
Direita Minas – Santa Luzia
Direita Minas – São Domingos da Prata
Direita Minas – Teófilo Otoni
Direita Minas – Três Pontas
Direita Minas – Uberlândias
Direita Minas – Viçosa
Direita MS (Mato Grosso do Sul)
Direita – Pontal
Direita – RMVale
Direita São Paulo
Direita Ubatuba
Instituto Federalista
Instituto Liberal Acorda Brasil
Marcha Cívica
Movimento Direita Ceará
Movimento juntos Pelo Brasil
NasRuas
São Paulo Conservador
Voz da Liberdade

A carta em inglês:   Letter to OAS – Convergencias


Compartilhe isso:
    • Facebook
    • Twitter
    • Email
    • WhatsApp
    • 
Previous
MOVIMENTOS EXIGEM QUE AGU E STF INTERVENHAM PARA SUBSTITUIR GILMAR MENDES
Next
EDITORIAL – STF NOVAMENTE AFRONTA A LEI, O SENSO COMUM E A CONSTITUIÇÃO
3 Comentários 
    1.  
       Mirimar 
       5 de junho de 2018 em 22:18 
       Urgente Isso. O povo consciente da direita exige o voto impresso. É lei, é dever do Estado e direito do cidadão.
       Responder 
    2.  
       Jair das NEVES LOURENÇO BARBEIRO 
       6 de junho de 2018 em 11:50 
       Concordo integralmente com o documento acima onde os direitos do povo está sendo tolhido por pessoas que não consigo entender o interesse em tornar a votação e apuração transparente ‘ hoje não são..
       Responder 
    3.  
       Prof. Padilla pesquisador transdisciplinar na UFRGS Faculdade de Direito 
       7 de junho de 2018 em 05:15 
       Magnífica atitude! Sugiro também uma releitura, pela abordagem transdisciplinar, à luz dos 4 planos de atividade humana e do uso das emoções pelos psicoPaTas na criação de uma entourage psicoPaTeta: http://bit.ly/1mundomelhor
       Responder 
Deixe uma resposta 
Seu email não será publicado.
Comentário

Nome*

E-mail*

Website


 Notifique-me sobre novos comentários por e-mail.
 Notifique-me sobre novas publicações por e-mail.
Pesquisar por:  


Convergências na Mídia
    •  
      Convergência repercute no jornal O GLOBO 
      27 de setembro de 2016 0 
Notícias recentes
    • O OBSERVADOR INDEPENDENTE – “ELEIÇÕES 2018 – CAMINHO SEM VOLTA” 
    • A BEM DA VERDADE: BRASIL É O ÚNICO PAÍS COM URNA ELETRÔNICA SEM CONTRAPROVA FÍSICA 
    • EDITORIAL – STF NOVAMENTE AFRONTA A LEI, O SENSO COMUM E A CONSTITUIÇÃO 
    • TSE DENUNCIADO NA OEA COM CARTA DO CONVERGÊNCIAS 
    • MOVIMENTOS EXIGEM QUE AGU E STF INTERVENHAM PARA SUBSTITUIR GILMAR MENDES 
Comentários
    • Valdemar Cardoso loksinger em MOVIMENTO NACIONAL PELA CONTAGEM PÚBLICA DO VOTO
    • José Adriano Silva em VOCÊ PODE PRESSIONAR O SEU JUIZ ELEITORAL PELA CONTAGEM FÍSICA DOS VOTOS
    • Márcio Antônio Martins em EDITORIAL – STF NOVAMENTE AFRONTA A LEI, O SENSO COMUM E A CONSTITUIÇÃO
    • Marilene d' Ottaviano em CARTA DE GENERAL DO EXÉRCITO PARA A PGR E AO TSE
    • Maria Elizabete Souza Terrana de Carvalho em CARTA DE GENERAL DO EXÉRCITO PARA A PGR E AO TSE
Copyright © 2018 | WordPress Theme by MH Themes
==//==
SOURCE/LINK: http://www.vianoticias.blog.br/mpf-denuncia-sergia-miranda-fraude-na-simcol-deve-investigar-caio-asfor/
MPF denuncia Sérgia Miranda por fraude na Simcol e deve investigar Caio Asfor
Novembro 27, 2017 Walter Bardawil



Escritórios “Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria” e “Rocha, Marinho e Sales” estariam ligados por meio de laranjas
O Ministério Público Federal (MPF), através do vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, ofereceu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) denúncia crime contra a desembargadora cearense Sérgia Maria Mendonça Miranda por fraude envolvendo a massa falida da Simcol.
Ela despachou liminar e ordenou, indevidamente (em um de seus plantões), o pagamento de cheque no valor de R$ 1.119.932,01 (hum milhão, cento e dezenove mil, novecentos e trinta e dois reais e um centavo) ao escritório “Sampaio e Tavares Advocacia e Consultoria”, que, na época, em maio de 2013, havia prestado serviços advocatícios à empresa.
Além de Sérgia, estão enrolados Frankraley Oliveira Gomes – namorado da desembargadora à época -, Paulo Fernando Mendonça e Cláudia Adrienne Sampaio de Oliveira.
Confira trecho da denúncia do MPF

Parceria Laranja
A SIMCOL teria sido também prejudicada, de forma criminosa, através de outra liminar  da mesma desembargadora. A empresa foi forçada a efetuar o pagamento  de valores altíssimos (superiores a R$ 1 milhão) ao escritório de advocacia “Rocha, Marinho e Sales”, pertencente ao advogado Caio Asfor. 
O pagamento se deu por meio de um “laranja” ligado ao escritório “Sampaio, Tavares Advocacia e Consultoria”.  
A denúncia  foi encaminhada ao ministro do STJ, Herman Benjamin, pelo empresário Gilberto Martins Borges, sócio majoritário e representante da empresa falida.
Documento de Gilberto Borges


      THE END

Nenhum comentário:

Postar um comentário